Você sabia que hoje é celebrada a independência do Egito?

O reconhecimento de igrejas cristãs gera tensão com a população muçulmana no país

| 28/02/2022 - 08:00

O governo britânico encerrou unilateralmente seu protetorado sobre o Egito com exceção de algumas áreas

O governo britânico encerrou unilateralmente seu protetorado sobre o Egito com exceção de algumas áreas


Hoje, 28 de fevereiro, a República Árabe do Egito completa 100 anos de independência. A declaração unilateral de independência egípcia foi emitida pelo governo do Reino Unido, da Grã-Bretanha e Irlanda em 28 de fevereiro de 1922. Por meio dessa declaração, o governo britânico encerrou unilateralmente seu protetorado sobre o Egito e concedeu independência nominal, com exceção de quatro áreas: relações exteriores, comunicações, militares e o Sudão Anglo-Egípcio. 

O país é uma república com um sistema semipresencial. Na teoria, o Egito é uma democracia. Na prática, desde que o rei Farouk foi deposto em 1952, os poderes do parlamento sempre foram fracos e o presidente governa sozinho. 

Apesar de o atual presidente al-Sisi falar positivamente sobre a comunidade cristã do Egito, a falta de aplicação séria da lei e a falta de vontade das autoridades locais em proteger os cristãos os deixam vulneráveis a todos os tipos de ataques, especialmente no Alto Egito. Além disso, devido à natureza ditatorial do regime, é inútil que os líderes da igreja ou outros cristãos se manifestem contra essas práticas. 

Os cristãos de origem muçulmana têm grandes dificuldades em viver a fé, pois enfrentam enorme pressão da família para retornar ao islamismo. O Estado também impossibilita que eles obtenham qualquer reconhecimento oficial de sua conversão. A legalização de igrejas sob a lei de construção de igrejas de 2016 continua. Dos 5.540 pedidos, apenas 1.800 igrejas receberam registro oficial, e muitas outras ainda estão esperando. O reconhecimento oficial das igrejas muitas vezes leva a episódios de tensão com a população muçulmana local.  

Apesar de abalada por séculos de dura perseguição, a igreja no Egito ainda permanece firme resplandecendo o amor e a misericórdia de Jesus em um país que nem sempre a acolhe. Conheça a história de um cristão local, Boutros, para inspirar sua fé. 

A cruz está em meu coração 

Boutros mostra feliz a tatuagem da cruz em seu pulso

Parceiros locais da Portas Abertas conheceram Boutros em uma igreja copta no Egito. Enquanto ele varria o chão da igreja e visitantes passavam, ele dizia, com os olhos brilhando: “Jesus é Rei!”. Ele mostrou com orgulho a cruz que tem tatuada no pulso.  

Muitos cristãos egípcios, incluindo crianças, possuem uma pequena cruz tatuada no pulso ou na mão. É uma tradição que remonta a tempos de perseguição extremamente alta: uma criança cujos pais foram martirizados sempre se lembraria de que era cristã por causa da tatuagem da cruz.  

Boutros agradece a Deus por ser cristão. Ele reconhece que, por ser cristão, ele é filho de Deus, sendo assim, filho de um rei. Para ele, a tatuagem é importante porque o faz lembrar do amor de Jesus. “Sou filho de um rei, e o mais importante não é a cruz em meu pulso, é a cruz em meu coração". 

Boutros está muito ciente da inimizade demonstrada para com os cristãos no Egito. Mas nem isso tira o entusiasmo que ele tem por Jesus. Quando alguém o questiona se ele é cristão, ele prontamente responde que sim. Ele diz que negar a religião significa negar a Cristo, e não há nada que ele tenha fora da fé em Cristo. “O que você pode encontrar fora da fé cristã? Não há nada fora de Cristo!”, afirma o cristão. 

Acompanhe na notícia de hoje à tarde mais testemunhos de cristãos que têm perseverado no Egito.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE