Tribunal acusa 31 supostos membros da Al Qaeda por ataque a igreja

Tribunal libanês acusa supostos membros da Al Qaeda de planejar um ataque contra locais cristãos

Um tribunal libanês acusou 31 supostos membros da Al Qaeda de planejar um ataque contra uma igreja em Zahle e contra outros lugares cristãos da mesma cidade, a leste de Beirute, informou hoje o jornal "L"Orient-Le Jour".

O jornal, que cita fontes judiciais, informou que os suspeitos foram acusados também de posse ilegal de armas, entre elas projéteis, e falsificação de documentos.

Os acusados são libaneses, sírios e sauditas. Dezoito deles estão detidos, mas 13 fugiram, entre eles o suposto chefe da Al Qaeda na Síria, Salah ad-Din Mohammad Saleh, conhecido como Abu Ahmed.

As fontes disseram que a célula da Al Qaeda no Líbano era dirigida por um saudita e um sírio. A sua base era na aldeia de Bar Elias, no vale do Bekaa, no leste do país, onde o grupo preparava atentados com carros-bomba.

A maioria dos acusados foi detida durante a batalha de Nahr al-Bared, o campo de refugiados palestinos onde o Exército libanês enfrentou o grupo islâmico sunita Fatah al-Islã.