Sobrevivente pede oração pela igreja no Quênia

| 09/02/2017 - 00:00


09-quenia-frederick-gitonga

Em abril, completa dois anos que a Universidade de Garissa foi atacada pelo grupo extremista Al-Shabaab, causando a morte de 147 alunos e deixando dezenas de feridos. Frederick Gitonga, ex-presidente da Sociedade de Estudantes Universitários Cristãos, milagrosamente sobreviveu ao ataque. Em conversa com os colaboradores da Portas Abertas, ele disse: “Graças a Deus e às orações de todos hoje estou aqui para dar esse testemunho”.

Os meses que se seguiram após o ataque foram difíceis para ele e para os demais sobreviventes que continuam empenhados em pregar o evangelho aos quenianos, apesar de todos os obstáculos e violência que enfrentam. “Nós ainda precisamos de muita oração. A igreja no Quênia precisa sobreviver e, hoje, ela é um dos principais alvos dos grupos extremistas que atuam por aqui”, explica Frederick.

Depois de quase dois anos, ainda há sobreviventes em recuperação, tanto fisicamente quanto psicológica e emocionalmente. Ore por todos os que ainda precisam lidar com os traumas causados por esse incidente, peça a Deus para que permaneçam firmes em sua fé e clame pelas famílias enlutadas, para que alcancem entendimento da parte de Deus e que sejam consoladas pelo Espírito Santo.

Conheça mais sobre a história do Frederick e a realidade dos sobreviventes do ataque a Universidade de Garissa. Saiba como você pode fazer mais pelos nossos irmãos perseguidos na África.

Juntos pela África
Os cristãos de alguns países da África Subsaariana enfrentam uma das piores perseguições de sua história. No dia 11 de junho, data escolhida para o Domingo da Igreja Perseguida 2017, juntos faremos mais pelos nossos irmãos dessa região.
Saiba mais  



Leia também
Cristãos de Garissa voltam à Universidade
Universidade de Garissa reabre


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE