“Queriam silenciar o pastor que converteu muçulmanos”

Conheça o testemunho de um pastor que perdeu o filho em conflito, mas não tem ressentimento e prossegue

| 28/12/2017 - 00:00


pastores-cantando-e-batendo-palmas

Há quatro anos, a capital da República Centro-Africana, Bangui, passou por uma onda de violência. O grupo anti-Balaka tentou expulsar o líder rebelde Michel Djoto, que havia “varrido” o país e se proclamado presidente. Mas o anti-Balaka se deparou com a violenta contraofensiva dos militares de Djotodia, conhecidos como Seleka.

Os pastores Jean-Eric Vogbia e Gilbert Bogolo estavam entre os cristãos que moravam em PK5, uma região predominante muçulmana de Bangui na época. No dia 5 de dezembro de 2013, eles se tornaram o alvo do Seleka. Quatro anos depois, a cicatriz daquele dia ainda lateja. Conheça hoje a história do pastor Vogbia, que perdeu seu filho mais velho no conflito. Leia a história do pastor Bogolo na próxima terça-feira.

Pastor Vogbia perde seu filho

Quando o pastor Vogbia estava fugindo com a família por causa dos bombardeios, eles foram abordados por dois militares do Seleka fortemente armados. “Um deles pareceu nos reconhecer e me disse em árabe: ‘O Deus que vocês servem já te salvou. Podem continuar’”, relembra Vogbia. Na manhã seguinte, o telefone de Vogbia tocou e uma voz disse: “Estamos na sua casa. Destruímos tudo e ateamos fogo”.

O filho mais velho de Vogbia, um estudante do segundo ano de medicina, estava na faculdade e não sabia de nada o que estava acontecendo. Ao meio dia, o telefone do pastor tocou novamente e uma voz disse: “O garoto foi morto. Nós não tínhamos planejado isso, mas como perdemos você, tivemos que matá-lo”.

Vogbia e a família ficaram devastados. Desde então, a esposa desenvolveu um trauma relacionado à situação. Apesar de tudo, o pastor não tem ressentimento. “Eles fizeram isso como uma punição por eu ser um ex-muçulmano. Eles queriam silenciar o pastor que converteu muçulmanos em cristãos”, diz.

Leia também
Conferência encoraja empoderamento de líderes cristãos
Missão de paz da ONU terá reforço de 900 soldados
Crise centro-africana ganha atenção da ONU


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE