Promotor da Corte Internacional visita a Nigéria

Investigação de crimes contra a humanidade é uma das motivações da visita

| 11/05/2022 - 16:30

O promotor Karim Khan conversou apenas com oficiais do governo (foto: World Watch Monitor)

O promotor Karim Khan conversou apenas com oficiais do governo (foto: World Watch Monitor)


O promotor da Corte Internacional de Crimes (ICC, da sigla em inglês), Karim Khan, fez a primeira visita à Nigeria para discutir os próximos passos na investigação de crimes contra a humanidade e crimes de guerra. Evidências desses delitos foram coletadas desde 2010 e mostram ações do grupo extremista islâmico Boko Haram e outros, além da própria Força de Segurança Nigeriana (NSF, da sigla em inglês) no Norte do país. A visita é bem vista por alguns, mas envolve controvérsias. Como a Nigéria é signatária do Estatuto de Roma, que fundou a ICC, essa intervenção demorou mais de oito anos para acontecer, custando muitas vidas. 

Em 2009, o Boko Haram começou os ataques recorrentes no país. Primeiro nas delegacias e acampamentos do exército no estado de Borno. Depois, o grupo organizou novas linhas de ataque quando sequestrou 275 meninas na escola fundamental em Chibok em abril de 2014. A hashtag #BringOurGirlsBack se espalhou pelo mundo e até mesmo a então primeira-dama do Estado Unidos, Michelle Obama, a publicou no Twitter. 

Apesar das promessas de que resgataria todas as meninas na campanha eleitoral de 2015, o presidente Buhari não deteve o Boko Haram e também não conseguiu levar o líder deles, Abubakar Shekau, à justiça. Muitos acreditam que em 19 de maio do ano passado, Shekau explodiu a si mesmo com um colete suicida para evitar a captura pelo grupo rival, o Estado Islâmico da Província da África Ocidental (ISWAP). A morte de Shekau piorou a insegurança no país. O grupo se separou e formou alianças com outros extremistas, como Ansaru, alguns ligados à Al-Qaeda no Magreb Islâmico. 

Recorde de mortes e sequestros 

A Corte deve ser um recurso de última instância para intervir em crimes contra a humanidade e genocídios, por isso o promotor afirma que concedeu esse tempo para que o governo nigeriano tentasse resolver suas demandas por conta própria. No entanto, pelo menos 38 pedidos de investigação de crimes, dez crimes com prova e a negligência do governo nesse período poderiam ter adiantado a visita do promotor. 

Juntos, Boko Haram e ISWAP, mataram mais de duas mil pessoas em 2021; e em 2020, o triplo desse número. Além disso, mais de quatro mil mulheres e meninas foram raptadas pelo Boko Haram apenas no Nordeste da Nigéria. 

Em uma breve visita ao palácio do governo em abril deste ano, oficiais nigerianos afirmaram não poder informar o número de nigerianos mortos por causa das eleições do próximo ano. “Pessoas de dentro do governo acreditam que a prioridade é a imagem pública, não a transparência e prestação de contas.”



Causa dos cristãos perseguidos é ignorada

A Associação Cristã da Nigéria (CAN, da sigla em inglês) disse que apesar das tentativas de contato com o promotor Karim para tratar a causa dos cristãos perseguidos, eles não foram ouvidos e ficaram sabendo da visita do ministro pela grande mídia. Não foram notificados ou convidados para conversar com o promotor. 

Karim se encontrou apenas com membros do governo nigeriano, ou seja, está ouvindo apenas um lado da história, como afirmou a imprensa do país. A Associação Cristã da Nigéria se incomoda, pois nenhum dos últimos governos protegeu os 25 mil cristãos que perderam suas vidas por causa da violência religiosa no país. O promotor não conversou com nenhuma das vítimas ou seus representantes. 

Na lista dos crimes investigados, apenas um se refere à “perseguição motivada por gênero e crenças” que é o caso dos raptos e abusos sexuais, como a situação vivida por Leah Sharibu, as meninas de Chibok e outras. 

A CAN também afirma que os cristãos do Noroeste e Centro da Nigéria são alvos recorrentes dos extremistas islâmicos e por isso pede uma investigação e ação específica para essa questão. A Corte Internacional considera esses crimes menos urgentes e que a motivação não é a fé das pessoas. Ao que parece, o novo promotor seguirá o passo dos antecessores e não levará a sério os cristãos perseguidos. 

Domingo da Igreja Perseguida 2022


Em 2022, o tema do DIP será “A igreja sob ataque”, intercedendo em especial pela Nigéria e Oeste Africano. Inscreva sua igreja e participe. Ao se cadastrar como organizador do DIP, você terá acesso aos materiais para realizar o evento. Prepare sua igreja para interceder pelos irmãos perseguidos do Oeste Africano no dia 12 de junho de 2022.


 

 

 


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE