Portas fechadas, corações abertos

| 22/12/2014 - 00:00


22_Africa_0430101175

De par em par, as janelas foram fechadas na casa de Hafida. Ela não queria que seus vizinhos ouvissem o que aconteceria ali; algo que foi compartilhado apenas com uma filha e uma amiga muito chegada. Num fim de tarde de domingo, cristãs brasileiras uniam-se a essa cristã secreta em oração.

Hafida é uma dos poucos milhares de convertidos de seu país. Nascida em uma família muçulmana, ela esconde sua conversão a fim de preservar a vida. “Fiquei surpresa ao encontrar naquele país uma mulher cheia de Deus, apesar de toda a perseguição e da falta de oportunidade de se reunir em uma igreja, como nós”, compartilhou Vera Sapia, uma das brasileiras presentes ali.

Naquele país do norte da África, o cristianismo é apenas para estrangeiros. Os nacionais são considerados muçulmanos. E pronto. Por isso, o culto nas pouquíssimas igrejas existentes é reservado apenas para os de fora do país. O grupo de brasileiras teve a oportunidade de visitar uma igreja, que fica a poucos metros de distância da casa de Hafida, mas ela não pode ir. Suzana Queiroz, outra viajante, explica a sensação única de estar ali: “Naquela pequena congregação, cultuei por Hafida e por todos os demais cristãos perseguidos daquela nação, que passam pela porta, ouvem o som, sentem a comunhão, mais ainda não podem entrar e prestar culto”.

Secretos e solitários
Do lado de dentro das portas também fechadas, pessoas de diversas nacionalidades louvavam a Deus em inglês. A maioria é constituída de obreiros. O grupo teve a oportunidade de conhecer mais de perto o irmão Cesar, natural do México, que vive há mais de nove anos naquela nação com sua família. Animada por conhecê-lo, Jaqueline Dias logo quis registrar o momento com uma fotografia. Mas Cesar não permitiu: “Não posso me expor, e nem aos meus irmãos. A única lembrança nossa que você vai levar é em sua mente e no coração”.

Assim como os convertidos nacionais, os obreiros estrangeiros também se movimentam com cuidado. Todos os obreiros que o grupo de brasileiras conheceu possuíam uma profissão. Dentre eles havia Rose, uma simpática escocesa que há quarenta anos exerce a profissão de parteira no país. Durante todos esses anos, Rose não constituiu família. Nas palavras da visitante Rosangela Bittencourt, “trata-se de uma mulher forte que, quando questionada sobre seu estado civil, faz questão de dizer que é casada com a obra de Cristo”. Com sua profissão, Rose tem a oportunidade de adentrar as casas das famílias locais e, pouco a pouco, deixar que sintam o perfume de Cristo que exala de sua vida.

DIP: cristãos brasileiros servindo cristãos perseguidos
O maior objetivo da atuação da Portas Abertas ao redor do mundo é servir os cristãos perseguidos, apoiando-os em suas necessidades, encorajando-os na fé e divulgando suas histórias para que mais pessoas sejam abençoadas por seus testemunhos de perseverança.
No dia 31 de maio, leve a Igreja Perseguida para participar de um culto em sua igreja. Inscreva-se como organizador do Domingo da Igreja Perseguida (DIP) e junte-se à Portas Abertas servindo cristãos perseguidos no mundo muçulmano. Saiba mais.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE