Mulher cristã é açoitada por não usar lenço na cabeça

| 29/04/2004 - 00:00


O governo islâmico sudanês em Cartum chicoteou e multou uma jovem cristã sudanesa por não usar um lenço de cabeça em público, na cidade da capital.

Cecilia John Holland, de 27 anos, recebeu quarenta chicotadas nas suas costas e foi multada em dez mil dinares sudaneses (40 dólares americanos) pela Justiça Islâmica de Sizana, em Cartum, no dia 14 de abril.

Cecília, uma cristã nascida na região sul do Sudão, estava voltando de micro-ônibus para sua casa no bairro de Haj Yousif na noite de 13 de abril quando foi detida por um grupo de dez policiais de ordem pública, alguns usando uniforme e outros vestindo roupas comuns.

Ela estava embarcando no ônibus, próximo aos jardins Badr em Cartum, quando a polícia aparentemente marcou Cecilia. Um furgão da polícia estacionou atrás do ônibus, exigindo que o motorista parasse, e Cecilia foi arrancada do ônibus para dentro do furgão.

Quando Cecilia tentou se libertar, protestando que ela era uma cristã e sulista, ela foi batida com um golpe violento no pescoço e forçada a entrar no furgão. Outras quatro mulheres já tinham sido detidas, todas usando lenços, embora sua vestimenta fosse apertada e descoberta.

Com temperaturas em Cartum variando entre 45º e 50º graus , Cecilia estava usando uma blusa modesta de manga longa e uma saia no comprimento do tornozelo, mas seu cabelo estava descoberto.

A polícia disse a Cecilia que ela estava sendo detida por não usar um lenço. Ninguém em Cartum, nem mesmo um não-muçulmano, foi-lhe dito, seria isento das punições islâmicas contra o uso de vestimenta inapropriada.

Duas horas mais tarde, após deterem sete outras mulheres, a polícia entregou o furgão carregado de detentas à delegacia de polícia de Dame. Segundo Cecília, três das mulheres foram enviadas para um outro lugar, mas as nove mulheres que permaneceram foram mantidas juntas sob custódia durante a noite.

Na manhã de 14 de abril, as mulheres acusadas foram enviadas ao Tribunal Islâmico de Sizana. Lá, um policial fez um juramento sobre o Alcorão, e então, leu as multas contra Cecília e as outras mulheres. Nenhuma das acusadas puderam dizer uma palavra no tribunal. Segundo a versão policial do caso de Cecilia, ela foi acusada de estar próxima do jardim à noite e de não usar um lenço na cabeça às 23 horas. A polícia se recusou a registrar que ela estava empregada, portanto, registrando que ela estava sem emprego. Cecília, que tem um diploma em fornecimento de alimentos da Faculdade de Ciências Aplicadas de Cartum, está empregada como uma funcionária de fornecimento de alimentos para uma organização não-governamental local.

Ao declarar Cecília culpada, a justiça de Sizana sentenciou a quarenta chicoteadas nas suas costas e a um pagamento de uma multa de dez mil dinares sudaneses. Aquela tarde, após ser chicoteada e pagar a multa em dinheiro, ela foi liberta. A multa representou um terço do salário mensal de Cecilia.

Nascida na cidade dos seus pais Moru, em Wau, na região sul do Sudão, Cecilia tem três irmãos e duas irmãs. Desde o falecimento do seu pai, o senhor John Holland Bay, sua mãe foi viver em Juba, uma cidade controlada pelo governo no sul do Sudão.

Pela razão do avô da jovem, o senhor Holland Bay, ser escocês, sua cor-de-pele é mais clara e seu cabelo mais longo comparado com o típico sudanês sulista negro. Entretanto, seu nome cristão e seu sotaque árabe confirmaram sua identidade e testemunho verbal à polícia.

A sujeição (forçada) de Cecilia às restrições e às severas punições da lei islâmica exprime dramaticamente uma questão-chave, agora embaraçando um ano de continua discussão sobre a paz entre o governo da Frente Islâmica Nacional em Khartoum e a liderança sulista do Movimento de Libertação do Povo do Sudão (MLPS).

No início deste mês, o governo de Cartum recusou o acordo, insistindo que a lei islâmica governa todos os cidadãos sudaneses que residem na cidade. Mais de dois milhões de sulistas não-muçulmanos vivem na capital ou aos arredores, separados durante os últimos 20 anos de guerra civil entre o sul animista cristão-africano e o norte muçulmano-árabe.

Até o momento, as propostas alternativas do MLPS foram completamente rejeitadas, tanto para estabelecer um encrave separado dentro da capital dos sulistas, como para sujeitar seus sudaneses não-muçulmanos às mesmas leis seculares para serem seguidas no sul durante um período de seis anos de auto-governo.

O presidente sudanês Omar al-Bashir afirmou no dia 13 de abril, que os negociadores sulistas haviam abandonado suas exigências e concordaram em ter somente uma legislação em Cartum. Segundo um relatório da Agence France Press, Bashir disse que o acordo foi realizado após nós lhe darmos garantias a respeito das diversidades religiosas e culturais entre os cidadãos.

Contudo, o porta-voz do MLPS negou tal acordo, que conseqüentemente tornaria os não-muçulmanos sulistas cidadãos de segunda classe na capital política do país.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE