Fundamentalistas hindus acusam padres católicos de estupro e assassina

| 18/03/2004 - 00:00


Fundamentalistas hindus acusaram padres católicos do estupro e morte de uma adolescente em Madhya Pradesh no dia 3 de março. Entretanto, a comunidade católica rejeita as acusações, dizendo que a morte da garota é um caso claro de suicídio.

Geeta Devi Saket era uma estudante Dalit (casta inferior) do Internato de Meninas de Deosar, administrado pela diocese católica de Satna.

O padre Raju Matthew, clérigo do internato, disse que uma empregada encontrou o corpo da menina enforcado no batente de ferro da porta do banheiro do dormitório por volta das 19:00h de 3 de março.

Ativistas do Bajrang Dal, a ala jovem do Vishwa Hindu Parishad (VHP ou Conselho Hindu Mundial), atacou os padres católicos e outros obreiros da igreja no dia 4 de março porque consideraram os clérigos responsáveis pela morte da menina de 15 anos.

No momento do ataque, o padre Thomas Thelakkatt e vários outros obreiros da igreja estavam tentando levar o corpo de Geeta para um hospital público próximo para ser feita uma autópsia, de acordo com uma reportagem do Asia News.

O padre Thomas foi gravemente ferido no ataque e ficou inconsciente. Os outros escaparam ilesos e depois levaram Thelakkatt para a propriedade da missão num veículo da igreja.

No começo do ataque, sabe-se que os agressores disseram a Thomas que eles logo iam mostrar o poder do Bajrang Dal. Alguns minutos depois, o líder local deles foi até o padre e o esbofeteou em ambas as faces.

Eu não me lembro de quantas vezes fui espancado, disse Thomas. Tudo o que sei é que depois minha camisa e meu lenço estavam encharcados de sangue do meu nariz e da minha boca.

Devendra Dwivedi, autoridade do vilarejo de Odgady, onde Geeta mora, acredita que os padres são responsáveis pela morte da garota. Os padres sabem a respeito do incidente e são responsáveis pelo estupro e morte da menina, alegou ele.

Devendra, que liderou o grupo de manifestantes do Bajrang Dal que atacou Thomas, insistiu para que a autópsia fosse feita no principal hospital do distrito em Siddhi, a 40 quilômetros de Deosar.

Devendra e seu grupo tiraram o corpo de Geeta dos padres católicos, colocaram-no em outro veículo da igreja e o levaram para o hospital em Siddhi. O relatório da autópsia confirmou que Geeta havia cometido suicídio e que não havia acontecido estupro.

O relatório pós-morte revelou a evidência conclusiva que a garota cometera suicídio, e que não houve estupro como foi alegado por certos grupos de pessoas, disse Mayank Jain, superintendente de polícia do distrito de Siddhi. 

O bispo Matthew Vaniakizhakkel, diocese de Satna, viajou para a propriedade da missão no dia 4 de março para ajudar os obreiros da igreja a resolverem a controvérsia. Estamos sendo assediados e atormentados sem motivo, disse ele à imprensa. É um infortúnio que os missionários estejam sendo vitimados e acusados pelo que não fizeram.

A situação em Deosar permaneceu tensa na semana seguinte ao incidente. A polícia ordenou que o padre Thomas permanecesse na propriedade, apesar de precisar de cuidados médicos. Outro funcionário da igreja, incluindo o bispo Matthew, também foram confinados à propriedade da missão.

Quando Portas Abertas falou com os oficiais da igreja na segunda semana de março, a situação estava aos poucos voltando ao normal. O padre Thomas está se recuperando e o bispo Vaniakizhakkel voltou ao escritório de sua diocese, disse Raju. 

O Estado de Madhya Pradesh mal se recuperou de um incidente anterior em janeiro, quando o corpo de uma menina de nove anos foi encontrado na propriedade de uma missão católica em Jhabua. Apesar da detenção de um homem que assumiu a responsabilidade pelo assassinato, alguns hindus ainda alegam que os oficiais católicos da escola são responsáveis pela morte da menina.

As autoridades católicas temem mais distúrbios com a aproximação das eleições gerais na Índia, programadas para começarem em 10 de abril. Os cristãos acreditam que grupos hindus estejam tentando polarizar os eleitores para os assuntos religiosos.

A Sra. Uma Bharti, ministra chefe do Partido Bharatiya Janata (PBJ) de Madhya Pradesh, apoia abertamente a agenda dos grupos nacionalistas hindus. Desde sua nomeação em janeiro, o Estado tem testemunhado um forte aumento das atividades de hindus fundamentalistas. Os cristãos de Madhya Pradesh temem ataques como o que aconteceu contra Thomas continuem até que as eleições terminem.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE