Evangelistas vietnamitas gravemente espancados sob custódia policial

| 10/03/2004 - 00:00


As autoridades que aplicam a lei no Vietnã estão submetendo líderes da igreja doméstica, que enfrentam a injustiça, a implacáveis maus tratos, de acordo com fontes da Cidade de Ho Chi Minh. Acredita-se que a crescente pressão seja uma retaliação pelos recentes incidentes onde a polícia teve voltar atrás na perseguição ao cristãos devido à defesa eficiente local e internacional.

O último incidente começou na tarde de 2 de março na Cidade de Ho Chi Minh, na casa do Rev. Nguyen Hong Quang, vice-presidente e secretário geral da Igreja Menonita, quando Quang e o evangelista Pham Ngoc Thach descobriram dois policiais da segurança secretos espionando-os de um posto de observação, cerca de 60 metros de distância da residência de Quang. Os mesmos dois policiais abordaram o Rev. Nguyen Cong Chinh quando ele chegou à estação rodoviária da Cidade de Ho Chi Minh, vindo da província de Kontum com três cristãos minoritários em busca de ajuda legal.

Quang e Thach anotaram o número da placa da moto da polícia e informaram a presença dos agentes secretos ao chefe deles. Quando Thach e um professor chamado Sr. Hien foram tirar uma foto da moto para servir como prova, os policiais os atacaram e seguiu-se uma briga. Os dois agentes secretos fugiram tão rápido na moto que ela deslizou e caiu. Quando Thach e uma colaboradora, a Sra. Lien, se aproximaram para ver se os oficiais tinham se machucado, estes os atingiram no rosto.

Cerca de 30 minutos depois, várias dezenas de oficiais da Unidade Especial 113, o distrito de polícia, policiais secretos e forças locais de defesa chegaram ao local, junto com os dois oficiais envolvidos na briga. Armados com revólveres e bastões elétricos, eles cercaram a casa de Quang e ordenaram aos 12 cristãos que estavam reunidos lá - incluindo o pastor Chinh, que acabara de voltar de Kontum - para que permanecessem dentro da casa.

De acordo com testemunhas, a polícia tentou então incitar os vizinhos a atacarem os cristãos. Eles fizeram com que uma mulher desconhecida assinasse uma queixa falsa contra os cristãos por perturbação da ordem pública.

Os policiais agarraram então um presbítero da igreja chamado Nghia e o levaram para a delegacia de polícia.

Posteriormente naquela noite, três jovens evangelistas, Pham Ngoc Thach, Nguyen Van Phuong e Nguen Thanh Nhan, foram obter informações a respeito do presbítero Nghia. As autoridades detiveram os três.
Os cristãos ficaram sabendo depois que a polícia espancou Thach até ele desmaiar. Depois, vários oficiais se revezaram chutando-o no peito, no estômago e na virilha. Eles também espancaram Nhan até deixá-lo inconsciente e tentaram justificar os maustratos aos jovens evangelistas acusando-os - depois do fato - de resistência a um oficial.

De acordo com informações, os três jovens ainda estão detidos na delegacia de polícia. Acredita-se que eles não serão soltos pelo menos até quando seus ferimentos, sofridos nos espancamentos policiais, estiverem sarados.

Fontes dizem que as autoridades ameaçaram os líderes da Associação Evangélica do Vietnã com duro tratamento durante uma reunião no dia 12 de dezembro de 2003.

Qualquer um de vocês que tentar deter ou identificar um dos nossos oficiais que esteja oprimindo os cristãos sofrerá uma pesada e rápida punição, teria dito o policial.

Em meados de janeiro, as autoridades da província de Kontum, no planalto central, destruíram uma capela Menonita e três semanas depois tentaram evitar que um pastor Menonita do Canadá visitasse os cristãos da região. As autoridades de Kontum acusaram Chinh, um importante pastor Menonita da província, de ser um ativista contra o governo.

De acordo com um presbítero da igreja, no dia 27 de fevereiro, cerca de 50 oficiais de polícia deram uma batida na casa de um líder da igreja Bahnar, o irmão Athe, enquanto ele estava trabalhando em seus campos. Os intrusos deixaram em desordem os aposentos usados para o culto cristão.

Desde a tomada comunista do Vietnã em 1975, muitos Menonitas americanos que se opunham à Guerra do Vietnã evitaram criticar o triste registro dos direitos humanos do governo. Entretanto, fontes disseram a Portas Abertas que alguns Menonitas de fora do país estão pensando em levar a questão da perseguição a governos do exterior.

De sua parte, os cristãos da igreja doméstica do Vietnã estão cansados dos constantes maustratos e estão ansiosos por apelar aos defensores dos direitos humanos da comunidade mundial para ajudar a conseguir a liberdade de crença e prática de sua fé, apesar das conseqüências.

Por exemplo, O Rev. Pham Dinh Nhan, presidente da Associação Evangélica do Vietnã, deu uma entrevista no ano passado a Susan Yu, da Star TV, baseada em Hong Kong, e falou francamente às câmeras sobre os abusos à liberdade religiosa rotineiramente sofridos pelas minorias cristãs e igrejas domésticas do Vietnã. O programa foi levado ao ar para a Ásia toda - incluindo o Vietnã - no dia 18 de janeiro.

Desde então, o jornal Nhan Dan (Diário do Povo) e a Rádio Hanói têm publicado negativas rudes de todos os aspectos da reportagem de Nhan, acrescidas de ataques virulentos à jornalista Yu.

Entretanto, as autoridades ainda têm de contestar o pastor Nhan sobre a entrevista. De fato, Nhan está pensando em ir às próprias autoridades comunistas para falar sobre o programa levado ao ar.

Se eles concordarem eu usar o texto do programa como tópico de discussão, serão eles que ficarão envergonhados - não eu, disse ele.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE