Cartas da China - Cristãos contam suas provações e triunfos pessoais

| 13/01/2004 - 00:00


Guangxi - "A nossa reunião cresceu de uma dúzia para 30, e os irmãos e irmãs eram muito amáveis - orando e ajudando uns aos outros. Mas depois, quando demos acolhida a evangelistas de outra província, alguns líderes disseram que éramos uma seita e não mais quiseram se reunir conosco. Até nos deixaram de fora nos domingos! Disseram que deveríamos ir para a igreja oficial (igreja registrada) para nos reunirmos lá. Se continuássemos realizando reuniões nas casas, então eles chamariam a polícia para nos prenderem. Alegaram que as igrejas domésticas eram ilegais e que se não nos registrássemos, não estaríamos protegidos pela lei.

"Depois fomos de fato detidos. As pessoas ficaram mais tímidas, e assim nos dividimos. Os irmãos e irmãs ainda me pediram para que lesse a Bíblia. Normalmente ouvíamos os programas de escola bíblica pelo rádio transmitidos do exterior e fazíamos anotações. Nós precisamos muito de comentários para ajudar o nosso crescimento espiritual. A maioria dos cristãos ouvem a rádio evangélica e ganham mais com isso do que indo à igreja oficial. Por favor, orem por nossa igreja".


  • Carta da Sra. B. da cidade de Qinzhou, datada de 10 de março de 2003.

Heilongjiang
"Nós cultuamos na grande igreja oficial. Os cristãos mais idosos e os desempregados se reúnem juntos para orarem, estudar a Bíblia e cantar hinos. Os líderes da grande igreja oficial não permitem que nos reunamos como queremos. Eles estimularam o governo a prender muitas pessoas. Os irmãos não foram capazes de argumentar, e cada um deles foi multado em 1.000 RMB (aproximadamente um mês de salário para a maioria das pessoas). As irmãs foram multadas em 200 RMB. Depois todos foram liberados.

"Depois disso formamos uma igreja doméstica. Um dia, quando estávamos reunidos em oração, eles entraram na igreja e prenderam os crentes. Depois das orações, subi ao púlpito pela primeira vez. Eu queria proteger um jovem irmão, já que ele estava empregado e poderia receber uma pesa multa. Eu sou uma viúva pobre (eu era enfermeira) que não tinha dinheiro mesmo que eles quisessem! Fiquei detida durante um dia, e à noite eles me soltaram. Depois eles me prenderam várias vezes mais.

"Quanto mais eu amo o Senhor, mais forte me torno, e agora estou aprendendo a pregar, mesmo apesar de outros serem mais jovens e com melhor instrução. Temos seis irmãos mais experientes que estão indo pregar nos vilarejos, e alguns dos homens mais jovens estão sendo também preparados para fazer isso. Por favor, orem!"


  • Carta da Sra. C, cidade de Shuangyashan, datada de 29 de agosto de 2003.

Hunan
"Noventa por cento dos cristãos de minha área pertencem às igrejas domésticas rurais. Os cristãos mais velhos tornaram-se crentes há vinte anos. Mas nunca vimos um pastor de fato, e não existe um lugar onde possamos conseguir treinamento teológico. O governo começou a nos perseguir em 1998, prendendo pessoas, confiscando livros e alegando que pertencíamos ao grupo dos "Gritadores". Em 2002, a seita Luz do Oriente acabou com as nossas igrejas. Os líderes de dois dos nossos grupos de estudos bíblicos foram ganhos por eles.

"A situação ficou muito confusa. Agora, por exemplo, cinco dos grupos originais cristãos da cidade não têm nada a fazer uns com os outros. Falsos professores se infiltraram e foram até ordenados como pregadores. A esposa de um jovem crente está dormindo com outro homem, mas só porque ela tem talento e sabe pregar, tem permissão para subir ao púlpito. Fico desesperado quando vejo a falta de disciplina na igreja".


  • Carta do Sr. Wang, datada de 16 de julho de 2003.

Jiangxi
"O nosso trabalho aqui é muito difícil. As pessoas da igreja oficial onde nós anteriormente freqüentávamos foram a toda parte pregando que eram autorizados pelo Departamento da Frente Unida de Trabalho do Partido Comunista (DFUTPC) e que nós éramos ilegais. Se alguém nos denunciasse ao DFUTPC, poderíamos ser presos. Muitas pessoas querem deixar a igreja oficial, mas ninguém se atreve. Eles temem pagar o preço. Por favor, orem por nós".


  • Carta do Sr. Liu, cidade de Guixi, datada de 18 de junho de 2003.

Sichuan
"Deixem-me explicar rapidamente a nossa situação. Tenho 60 anos e sou cristão há seis anos. Vivo nas montanhas e tenho a instrução primária. Sou um camponês comum. Temos uma igreja doméstica que é pastoreada por uma igreja da cidade. De mês em mês eles vêm aqui para realizar batismos. No início havia várias dezenas de igrejas domésticas juntas. Mas agora os que moram perto da cidade estão com medo de perseguição. Eles não estão dispostos a suportar a cruz e seguir o Senhor. Ao contrário, eles confiam nos governantes políticos para os protegerem.

"Por isso nós nos separamos deles há mais de um ano. Eles querem que nos registremos junto às autoridades para "proteção" e querem o nosso dinheiro para reformar a igreja. Como não freqüentamos a igreja da cidade, eles usam o poder político das autoridades para nos perseguirem. Eles nos proíbem de nos reunirmos. Mas Deus está conosco e nos protege - não paramos as reuniões! Eles não prenderam nenhum de nós. Mas temos muita necessidade de livros cristãos.

"Agora, aqui vão algumas notícias boas! Minha mãe, aos 94 anos de idade converteu-se e estabeleceu uma igreja em nome de Jesus em sua casa. Agora existem três igrejas lá. Eles são também perseguidos pelas autoridades, e alguns desistiram. Por favor, orem por eles, para que Deus reavive a Sua igreja. Nós somos uma família cristã. Meu filho e três filhas e os netos deles, todos receberam o Senhor Jesus como Salvador e foram batizados".

  • Carta do Sr. Wei, datada de 6 de março de 2003.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE