Especialistas apontam perseguição "mais sofisticada" na Chin

| 11/02/2007 - 00:00


Testemunhas da perseguição religiosa na China relataram à Comissão dos EUA sobre Liberdade Religiosa Internacional, que o país - que se prepara para receber os Jogos Olímpicos de 2008 - vem promovendo uma perseguição mais sofisticada.

Bob Fu, presidente da Associação de Ajuda à China, contou que o país continua a tomar posição contra as igrejas domésticas protestantes.  No entanto, o governo chinês vem mudando a tática de perseguição. A pressão concentra-se hoje sobre os líderes das igrejas, diminuindo efetivamente o número de incursões e invasões a igrejas.

Outra nova estratégia desenvolvida na China implica em taxar as igrejas domésticas não-registradas como seitas e os cultos como rituais. Dessa forma o governo justifica a repressão.

"As táticas dos funcionários de segurança pública - interrogatórios imediatos,  acusação de atividades criminais contra líderes de igrejas e a classificação de movimentos protestantes como seitas - sugerem que as autoridades chinesas estão mais preocupadas em parecer mais tolerantes em relação aos cristãos, aos olhos da comunidade internacional", comentou Fu. "Contudo, o que parece ser menos, na verdade é uma mudança genuína de política externa", completou.

O governo comunista chinês só reconhece igrejas registradas oficialmente, sob a determinação de protestantes ou católicas, que estejam sob sua administração direta. Muitas igrejas têm se recusado a fazer o registro, alegando que Cristo é o cabeça na igreja, e não o governo chinês. Além disso, muitas igrejas católicas não se registram como uma associação católica do governo porque esta não reconhece a autoridade do papa.

Insistência em favor dos direitos humanos

Joseph Kung, presidente da Fundação Cardeal Kung, relatou à comissão sobre prisões, torturas e desaparecimentos de bispos católicos que atuam clandestinamente em igrejas domésticas na China.

Kung enfatizou o caso do bispo Su Zhimin, um importante líder da Igreja Católica Romana e que lidera outras milhares de igrejas não-registradas oficialmente junto ao governo chinês. Su Zhimin foi preso em outubro de 1997. Certa vez sofreu um espancamento a ponto de perder a audição. Até hoje seu paradeiro é desconhecido, não se sabe nem mesmo se ele continua vivo.

Sharon Hom, diretora-executiva de Direitos Humanos na China, concluiu o painel de discussão enfatizando que os Estados Unidos e os governos do ocidente não devem apoiar a promoção dos direitos humanos na China. "O governo chinês está usando a linguagem dos direitos humanos", disse Hom. "Se eles estão usando a linguagem, mas ameaçam os direitos humanos, então não deveríamos retroceder em 2007", disse.

Segundo ela, deveria ser dito aos representantes do governo chinês: "Vocês não assinaram esses documentos que falam sobre os direitos humanos? Então vamos conversar sobre como promover os direitos humanos. Gostaria de dizer que nós deveríamos realmente insistir e não retroceder", defendeu Hom.

Outros que se pronunciaram foram: Michael Green, presidente do Centro de Estudos Estratégicos Internacionais e ex-diretor de Negócios Asiáticos do Conselho Nacional de Segurança; Erping Zhang, presidente da Associação de Pesquisa Asiática; Bhuchung Tsering, vice-presidente da Campanha Internacional pelo Tibete e Kamila Telenbidaeva, esposa de  Huseyin Celil, da Associação Canadense Uyghur.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE