Cristã é presa sob acusação de blasfêmia no Paquistão

| 31/01/2007 - 00:00


Martha Bibi, uma cristã de Kot Nanak Singg, distrito de Kasur, foi acusada, no dia 22 de janeiro, de fazer comentários depreciativos sobre o profeta Maomé e profanar seu santo nome, informou Shahbaz Bathi, líder da Aliança das Minorias Paquistanesas (APMA, sigla em inglês).

Ele contou que a mulher, o marido e seus seis filhos vivem com mais 12 famílias cristãs em uma área habitada por cerca de 500 famílias muçulmanas. O marido trabalha na construção civil e aluga equipamentos de construção com a ajuda de sua esposa. Recentemente, eles alugaram algumas ferramentas para a construção da mesquita Sher Rabbani, mas os construtores falharam no pagamento.

Na manhã de segunda-feira, Martha Bibi foi ao local da construção para receber o dinheiro, mas não obteve sucesso. Ela pediu então que os equipamentos fossem devolvidos e tentou retirá-los, mas Muhammad Ramzan, Mohammad Akram e Muhammad Dilbar passaram a agredi-la. Apenas com a ajuda dos passantes é que ela conseguiu escapar.

À noite, o imame da mesquita acusou Martha de dizer palavras blasfemas sobre o profeta Maomé e incentivou os muçulmanos a atacarem os cristãos. Martha e sua família fugiram para a vizinhança a fim de se esconder. Entretanto, a polícia encontrou-a e a prendeu. Ela foi levada para a delegacia de Changa Manga.

Martha foi acusada de violar a seção 295 C do Código Penal, mais conhecida como lei de blasfêmia, que prevê longas penas de prisão assim como a pena de morte aos infratores.

A polícia abriu um processo contra a mulher depois de receber uma queixa formal de Muhammad Dilbar.

Apelo por mudanças

Assim que descobriu o que tinha acontecido, a APMA interveio e mandou um representante para se encontrar com Martha Bibi. Os policiais foram alertados para ficarem atentos quanto a possíveis atos de violência contra a acusada.

Em uma nota informativa, a APMA informou ter apelado ao juiz da Suprema Corte para intervir contra o uso abusivo da lei de blasfêmia e intimou o governo a mudar a lei, já que ela é usada por extremistas para perseguir minorias religiosas ou qualquer um que atravesse seu caminho. Em seu apelo, a APMA disse que uma comissão judicial deveria ser implantada para rever todos os casos e que todos os que são claramente inocentes, como Martha Bibi, deveriam ser libertados de imediato.

Em uma entrevista concedida em Paris no dia 24 janeiro, o senador Mushahid Hussain Syed, secretário geral do partido governante, disse que a lei de blasfêmia será mudada após as próximas eleições.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE