Em 2006, pastor Rongliang sofreu injustiças na China

| 17/01/2007 - 00:00


De 10 a 19 de janeiro, publicaremos em nosso site um resumo das notícias que marcaram 2006. Serão 10 dias, cada um com o foco em um país diferente.

A corte popular da cidade de Zhongmu sentenciou o pastor de uma igreja doméstica, Zhang Rongliang, a sete anos e meio de prisão em 29 de junho passado - embora ele não tenha sido noticiado do veredicto até 4 de julho.

Rongliang se tornou um líder importante do movimento de igrejas domésticas China para Cristo, conhecido como Fangcheng. Rongliang foi preso pela polícia de Henan sem acusações em 1 de dezembro de 2004. Apenas alguns meses depois ele foi acusado de "valer-se de fraude para retirar um passaporte" e de "travessia ilegal de fronteira" (as autoridades chinesas geralmente negam passaportes para líderes famosos de igrejas domésticas).

Depois de sua prisão, as autoridades confiscaram DVDs cristãos e outros materiais da casa de Rongliang, que supostamente o ligaria a cristãos estrangeiros. Ter contato com religiosos estrangeiros pode ser considerado uma atividade ilegal na China.

O advogado de Rongliang, Zheng Laiyou, não foi otimista em relação a um apelo. "Está claro que o veredicto não foi tomado apenas pela corte popular", disse ele. O veredicto foi dado depois de uma série de audiências, a última delas realizada em 6 de abril de 2006. Em 13 de abril, a corte popular da cidade de Zhongmu reconheceu que "havia falta de evidências e fatos ambíguos", e passou o caso à corte popular intermediária da cidade de Zhengzhou, pedindo um conselho legal.

Na audiência de 6 de abril, Rongliang disse que tinha direito a um passaporte, como cidadão chinês, e negou a acusação de obter passaporte por fraude - os passaportes seriam para três auxiliares dele. A esposa do pastor, Chen Hongxian, ficou chocada com o veredicto. "Foi uma corte do partido comunista, e não uma corte popular, que tomou a decisão real", disse ela. O pastor Rongliang tem cinco doenças crônicas, entre elas pressão alta e diabetes, identificadas em um exame oficial feito em 2005.
 
Segundo funcionários do governo, simpatizantes à luta dos membros da igreja doméstica, o Comitê Político e Legal da cidade de Zhengzhou ficou descontente com a decisão iminente tomada pela corte popular de Xinmi de tirar todas as acusações e absolver Rongliang. O comitê de Zhengzhou pediu então à corte da cidade de Zhongmu para reexaminar o caso. Funcionários do governo em Zhongmu se recusaram a aceitar Rongliang, temendo que ele viesse a morrer sob custódia deles, por causa de seus problemas de saúde.

Rongliang havia sido levado ao hospital da cidade de Xinmi em 19 de dezembro de 2005, onde ele ficou até 23 de janeiro do ano passado. Uma testemunha disse ter visto Rongliang algemado ao seu leito no hospital. Mais tarde ele foi transferido para o hospital da cidade de Zhongmu.

Leia as retrospectivas anteriores:
IRÃ (3º) - Onda silenciosa de perseguição
ERITRÉIA (14º) - Em 2006, Eritréia fecha o cerco
MUNDO MUÇULMANO - Represálias no Mundo Muçulmano
ÍNDIA (26º) - Campanha hindu contra missão no Estado de Rajasthan
INDONÉSIA (35º) - Terrorista confessa decapitações
IRAQUE (23º) - Cristãos viram alvo de seqüestros
NIGÉRIA (28º) - Violência atinge escolas na Nigéria


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE