Cristãos compartilham o medo em Belém

| 03/01/2007 - 00:00


É o Natal de 2006, mas há pouca animação entre os cristãos que vivem na Cisjordânia e em Gaza.

O presidente da minúscula comunidade católica romana da Faixa de Gaza cancelou a ceia de Natal, citando a recente violência palestina. O maior oficial católico na Terra Santa, o patriarca latino de Jerusalém Michel Sabbah, disse que o tradicional lugar do nascimento de Jesus é uma cidade de conflitos e morte" por causa das medidas antiterroristas. Apesar da trégua na violência em Israel, apenas um punhado de turistas estrangeiros visitam Belém.

Essa não é uma época fácil para os cristãos que vivem na Terra Santa. E a perspectiva é ainda mais fria. A luta da pequena minoria cristã dos territórios da Autoridade Palestina levou alguns líderes cristãos a informar que a fé poderá estar virtualmente extinta na cidade em questão de décadas.

É verdade que a comunidade cristã está deixando a Cisjordânia e a Faixa de Gaza em um ritmo rápido - e parece que nada pode ser feito para impedir isso", afirmou o reverendo Alex Awad, reitor do Colégio Bíblico Belém. Dentro de 15 anos, os cristãos na Terra Santa serão uma minoria insignificante, apenas algumas pessoas dirigindo igrejas e instituições, e não uma comunidade viável na Terra Santa."

Alex é um pastor batista que vive em Jerusalém, mas faz uma pequena viagem semanalmente para trabalhar em Belém. Ele diz que, sem um acordo de paz entre israelenses e palestinos - algo que ele acredita estar distante - os futuros anos verão um colapso total do cristianismo em sua terra natal.

A população cristã da Palestina caiu para menos de 2% na Cisjordânia, na Faixa de Gaza e no leste de Jerusalém. Inicialmente, em 1950, a taxa era de 15%.

Apenas três mil cristãos, a maioria da igreja ortodoxa grega, vivem em Gaza, em meio a uma população muçulmana conservadora de 1,4 milhão de pessoas.

Cerca de 150 mil cristãos - 80% deles árabes - vivem em Israel, uma média de 2.1% da população total, segundo os números fornecidos pelo Comitê Central de Estatísticas.

Se a situação continuar, logo as igrejas serão museus", disse o reverendo Naim Kuri, um honesto cristão evangélico que dirige a igreja batista Belém, e que se mudou recentemente para Jerusalém.

Cidade-fantasma

Nenhuma cidade na Terra Santa ilustra mais o grande êxodo de cristãos do que Belém, que está totalmente sob o controle palestino como parte dos Acordos de Oslo.

Essa cidade bíblica de 30 mil pessoas, localizada a apenas oito quilômetros ao sul de Jerusalém, tem sido o destino de peregrinações há quase dois milênios. Sua população tem agora menos de 20% de cristãos, depois de décadas durante as quais os cristãos eram a maioria.

Milhares de cristãos deixaram a cidade durante os seis primeiros anos de violência palestina em busca de uma vida melhor em Israel ou no Ocidente. A horrível situação econômica, o muro de segurança israelense e o que restava da política - incluindo o fortalecimento crescente de movimentos radicais islâmicos como o Hamas - tornaram a vida na cidade cada vez mais insuportável.

Não tem vida, não tem empregos e nem futuro em Belém", disse Raheb, um cristão árabe que vive em Jerusalém. Duas das irmãs de Raheb vivem em Belém e elas tentam sair da cidade, enquanto a terceira foi embora para a Suécia há dois anos.

Ele ainda disse que a situação em Belém só se deteriorou depois da vitória do Hamas nas eleições do Conselho Legislativo Palestino, em janeiro.

A indisposição econômica, acoplada à crescente taxa de desemprego e à incapacidade da Autoridade Palestina de pagar os funcionários públicos, apenas agravou as tensões na cidade.

Raheb disse que Israel deveria fazer mais para ajudar a minguante população cristã.

Peter Robinson é da Nova Zelândia e vive com sua esposa árabe cristã no subúrbio de Belém, em Beit Jala, há duas décadas. Ele disse: "É muito triste que centenas de famílias tenham ido embora para fugir dos problemas aqui". A situação econômica fez com que os irmãos de sua esposa emigrassem para o Chile.

Para Peter, a preocupante vitória do Hamas nas eleições foi "um grande choque para os cristãos da área. Muitos ficaram desesperados e fugiram", ele afirmou.

O turismo, o coração de toda a área, tem sido minado. A atual situação transformou lugares agitados, como Belém, em cidades-fantasma.

Povo esquecido

Muitos cristãos que vivem em Belém sempre irão apontar para o muro de segurança como o maior empecilho de sua existência. Israel o erigiu para impedir que homens-bombas palestinos entrassem em Jerusalém e outras cidades.

Mas, ao mesmo tempo, a maioria dos cristãos dirá que a vida sob o domínio israelense - por 25 anos, depois da Guerra de Seis dias em 1967 - era bem melhor do que hoje sob o governo da Autoridade Palestina.

Sem dúvida, a situação agora é muito pior do que quando estávamos sob ocupação israelense disse o pastor Alex Awad.

Antes de Oslo, as coisas iam bem", ele acrescentou, dizendo como é difícil para os moradores de Belém conseguir permissão para entrarem em Jerusalém.

O pastor Naim Kuri diz que a falta de governo, de policiamento e de segurança pioram as coisas. Sentimos que somos um povo esquecido, ele concluiu.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE