Cólera no mundo muçulmano, apesar das novas declarações do Papa

| 18/09/2006 - 00:00


Os comentários do Papa sobre o Islã e a Jihad (Guerra Santa) continuaram provocando nesta segunda-feira cólera e indignação no mundo muçulmano, apesar dos lamentos públicos de Bento XVI.

Cerca de 500 manifestantes queimaram um boneco representando o Sumo Pontífice em Basra, no sul do Iraque, e incendiaram as bandeiras dos Estados Unidos e da Alemanha.

Diante do pedido do chefe religioso xiita, Mahmud al-Hassani, os manifestantes exigiram que o Papa se desculpe, enquanto que grupos iraquianos ligados à Al-Qaeda proferiam ameaças contra os ocidentais.

O braço armado iraquiano da Al-Qaeda, que controla uma aliança de grupos armados jihadistas, jurou que continuará com a Jihad (Guerra Santa) até a derrota do Ocidente. Outro grupo vinculado à Al-Qaeda, o Ansar al-Suna, também ameaçou os ocidentais pela internet, em particular a Itália. Para vocês temos a espada como resposta à sua arrogância, escreveu o grupo, que reivindicou numerosos ataques e execuções no Iraque.

Na Indonésia, mais de uma centena de membros de um grupo islamita radical, a Frente de Defensores do Islã, pediu a crucificação do Papa durante uma manifestação, afirmando que o profeta é sublime, o Papa é pequeno e vil.

Desde sexta-feira, foram cometidos vários atos de violência anticatólicos, principalmente contra igrejas. Uma religiosa italiana foi assassinada na Somália, mas não se pode estabelecer uma relação entre este fato e a polêmica atual.

Leia mais no UOL.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE