Jovens incendeiam orfanato

| 17/07/2006 - 00:00


Na madrugada do dia 6 de julho, jovens desconhecidos perturbaram meninas do orfanato da Missão internacional Emmanuel (EMI, sigla em inglês) e atearam fogo ao prédio no distrito de Kora, Estado de Rajasthan.
 
O incidente aconteceu às 2 da manhã, quando pelo menos seis jovens tentaram entrar no dormitório das meninas do orfanato, disse Saji Kutty, da EMI, à agência de notícias Compass.
 
Saji disse que um dos jovens subiu pelo cano de esgoto e alcançou a janela de um quarto, batendo nela com uma vareta. As garotas acordaram e gritaram. Depois disso, ele desceu e, com os outros, começou a atirar pedras na janela.
 
Mais tarde, os jovens atearam fogo a um pneu e o atiraram na sala do gerador de energia. Um painel e um transformador pegaram fogo e foram destruídos, uma perda estimada em 400 mil rúpias (8.602 dólares), contou Saji.
 
Quando Saji foi à delegacia de Udyog Nagar para fazer uma queixa, a polícia se recusou a preencher o Boletim de Ocorrência.
 
Saji diz que eles só aceitaram a queixa por escrito e não lhe deram uma cópia assinada dela.
 
A EMI enviou cópias da queixa a autoridades do distrito e do Estado, incluindo a Comissão das Mulheres do Estado de Rajasthan e a Comissão das Minorias do Estado.
 
Funcionários do departamento de bem-estar social afirmaram que o fogo foi causado por um curto-circuito, mas Saji disse: "Temos no prédio equipamento de segurança para incêndios, que desliga a força assim que acontece um curto-circuito". Esses funcionários foram designados pela Alta Corte para irem ao orfanato, depois de uma ordem em 13 de junho.
 
Saji ficou preocupado por o departamento de bem-estar social não ter indicado nenhuma mulher para visitar o orfanato. Dinesh Rajpurohit, um membro ativo da organização extremista Matantaran Virodhi Manch (Frente de Anti-Conversão), é o líder da equipe oficial que vistoria o orfanato.
 
Saji disse que, desde que os funcionários do governo foram encarregados de visitar o orfanato, os fundamentalistas hindus têm freqüentado o local e intimidado a equipe e os internos da EMI.
 
Ele também disse que o contrato com fornecedores de alimentos e outros itens foi dado àqueles ligados com organizações extremistas hindus.

Outro funcionário da EMI, James Abraham, já havia escrito aos funcionários do governo de Kota, alegando que Dinesh visitou o orfanato com vários membros da Frente de Anti-Conversão no dia 21 de junho.
 
"Elesforam direto aos aposentos das meninas e entraram em seus quartos em bater na porta. Eles também fizeram observações obscenas", disse James.
 
Quando a equipe da EMI objetou, os extremistas ameaçaram abrir um processo contra eles e afirmaram que as garotas "não estavam seguras" sob a direção da EMI.
 
O Conselho Global de Cristãos Indianos exigiram uma investigação dos incidentes na EMI que fosse independente da administração e dos extremistas hindus.
 
Diretor recebe aviso

O Rajasthan Patrika, um jornal regional, relatou no dia 7 de julho que a Alta Corte de Rajasthan emitiu um alerta ao departamento de bem-estar social e ao seu diretor, Madan Dilawar. Ela acusava o diretor de instigar pessoas contra minorias, incluindo cristãos.
 
O jornal afirmou que Madan estava envolvido na opressão de cristãos mesmo antes de se tornar um ministro em dezembro de 2003. O jornal ainda disse que Madan intensificou os ataques depois que se tornou responsável pelo departamento de bem-estar social.
 
Sobre o incidente de 6 de julho, o Patrika relatou que a polícia evitou preencher uma queixa formal contra Dinesh, funcionário do departamento de bem-estar social, acusado de trazer desordem ao orfanato e tentar molestar sexualmente as meninas.
 
Extremistas hindus têm perseguido a EMI desde janeiro. Eles acusam a equipe da EMI de ferir os sentimentos religiosos e quebrar as regras do governo quando distribuíram o livro Haqeekat (Realidade). O presidente da EMI, Samuel Thomas e seu pai, arcebispo M.A. Thomas, foram acusados de criar "desarmonia pública", e ambos serão julgados em agosto.
 
A EMI dirige o instituto bíblico Samiti, o orfanato Anath Ashram, a Escola Emmanuel da Sociedade, o hospital Chikitsalaya Samiti, e a Sociedade de Fiéis. A organização dirige um movimento de igrejas nacionais e serve mais de 1 mil crianças através de trabalho humanitário e educacional.
 
Samuel Thomas foi preso no dia 16 de março, sob acusações de criar "desarmonia pública". Ele foi libertado sob fiança temporária no dia 2 de maio, mas apelará à corte em 1 de agosto.
 
Seu pai também foi acusado, mas se escondeu e pediu fiança antecipada, antes de aparecer na delegacia de Udyog Nagar, em Kota, no dia 15 de maio, para responder às acusações.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE