Violações dos direitos humanos aumentam na China, afirma Anistia

| 25/05/2006 - 00:00


As violações dos direitos humanos na China continuam piorando, segundo o relatório anual da Anistia Internacional (AI) apresentado em Londres, duas semanas depois de o gigante asiático entrar para o Conselho de Direitos Humanos da ONU.

As limitadas reformas legais e judiciais melhoraram pouco a proteção dos direitos humanos. Continuou a detenção de dezenas de milhares de pessoas que corriam risco de sofrer tortura, disse a AI.

Segundo a ONG humanitária, no interior do país ocorrem situações de tortura mediante golpes, chutes e descargas elétricas em instituições oficiais muito diferentes, e os retidos não têm acesso a advogados nem a parentes, apesar de ter começado um teste-piloto em três províncias para filmar interrogatórios este ano.

As vítimas de muitas destas detenções são ativistas, advogados e pessoas desapropriadas acusadas de forma imprecisa de delitos contra a segurança nacional ou de vazamento de segredos de Estdo.

A censura é cada vez mais intolerante quando se trata de questões que incomodam o Governo comunista. Os jornalistas que informam sobre estes assuntos são despedidos, detidos arbitrariamente ou presos, segundo a AI.

Na internet, a censura também é estrita em um país onde o total de internautas continua crescendo (111 milhões, o segundo maior número do mundo depois do observado nos EUA, que têm 198 milhões).

As mulheres continuam sendo alvo de violência por meio da esterilização e de abortos forçados por parte das autoridades locais que tentam cumprir as estritas normas de planejamento familiar, que desde 1980 limitam a um o número de filhos por família.

Além disso, as mulheres presas continuam correndo risco de sofrer abusos sexuais e outras formas de tortura e maus tratos.

O relatório destaca ainda a repressão contra práticas religiosas fora dos canais oficiais, e critica a nova Normativa sobre Assuntos Religiosos, o reatamento da ação contra o movimento religioso Falun Gong, em abril, e a perseguição de grupos não autorizados de católicos e protestantes.

A AI calcula que, no último ano, 1.770 pessoas tenham sido executadas, e pelo menos 3.900, condenadas à morte.

No âmbito internacional, a AI denunciou as exportações não controladas de armas chinesas ao Sudão, que contribuem para violações maciças de direitos humanos e para a resistência da Europa a suspender o embargo de venda de armas imposto à China após o massacre de estudantes na Praça da Paz Celestial, em 1989.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE