Grupo de estudo bíblico sofre pressão de vizinhos

| 13/04/2006 - 00:00


Quando Sarah Fifi atendeu a porta no domingo de manhã, ela foi cumprimentada por alguns de seus vizinhos.

Mas essa não era uma visita social. Eles foram avisá-la para não receber mais grupo de estudo bíblico em sua casa.

Sarah é presidente da Fundação Apostel Bangun Bangsa, entidade sem fins lucrativos. Ela disse que essa é a quarta visita que os vizinhos fazem desde o ano passado.

"Nós nos reunimos para enriquecimento espiritual, e o grupo está limitado aos membros de nossa fundação", ela disse ao jornal "The Jakarta Post".

Ocorrências assim são comuns na Grande Jacarta.

Um ramo moderado do islamismo prevalece no país, que tem a maior população muçulmana do mundo. Mas algumas pessoas parecem sair facilmente da tolerância para a intolerância.

Os conflitos não ocorrem apenas entre pessoas de religiões diferentes. Eles também ocorrem entre os seguidores da mesma religião. Isso é derivado dos sentimentos de superioridade, no qual um grupo crê que há apenas uma maneira de se interpretar o Alcorão.

No começo desse mês, muçulmanos avisaram um grupo de estudo corânico para mudarem de lugar. Isso porque suas roupas e orações em voz altas levantaram suspeitas de que eles não eram muçulmanos de verdade.

O governo emitiu em março um decreto que regula lugares de reuniões religiosas. O decreto foi uma resposta ao fechamento forçado de várias igrejas cristãs em toda a Indonésia.

Ele procura promover harmonia religiosa. Mas, alguns líderes muçulmanos criticaram a nova lei, dizendo que ela é mais restritiva do que a anterior, porque ela "favorece muitos interesses".

Sarah disse que sua casa nunca foi usada para atividades religiosas, como seus vizinhos acusam. "É só uma das atividades regulares da fundação. Também oramos juntos aqui. A liberdade de orar não é também um direito básico de cada cidadão?".

Ela disse que os diretores das principais organizações do bairro receberam relatórios das atividades da fundação. A fundação ajuda pessoas de baixa renda e prisioneiros, através da doação de remédios, água potável e de aulas sobre saúde.

Sarah disse que a fundação tem informado as autoridades sobre suas atividades. "Se nos reunimos em oração, temos que pedir permissão?"

"A acusação de que estamos forçando o cristianismo aos outros é cruel. Está muito errada. Nunca obrigamos alguém a nos seguir."

Sarah ainda disse que as freqüentes visitas dos vizinhos não vão impedir o grupo de se reunir.

Saragih é chefe de uma organização do bairro e mora em frente à casa de Sarah. Ele disse que ouviu a queixa dos moradores e atuou apenas como um mediador.

Mas ele disse que o grupo de oração é muito barulhento. "Os moradores daqui têm o direito de viver em paz. Se a fundação é só social, ela deveria realizar apenas sua função social".

Saragih disse que visitará os moradores e os membros da fundação depois, "Mas vamos deixar os dois lados se acalmarem primeiro".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE