Casa de líder cristão é invadida pela polícia

| 14/03/2006 - 00:00


Aproximadamente 15 policiais dos estados de Rajasthan e Karnataka invadiram a casa do conhecido líder cristão, Sajan K. George, no dia 6 de março, na sua ausência.

Eles revistaram a casa e interrogaram os membros da família sobre seu envolvimento com a Missão Internacional Emanuel (EMI, sigla em inglês), conhecida fora da Índia como Esperança Internacional, com sede em Rajasthan, e com seu fundador, arcebispo M.A. Thomas.

Sajan é o presidente nacional do Conselho Global dos Cristãos Indianos (GCIC, sigla em inglês), que defende os direitos dos cristãos individualmente e das organizações cristãs na Índia incluindo a EMI. Ele também está intensamente envolvido numa campanha pelos direitos humanos dos dalits ou "intocáveis" da Índia.

Extremistas hindus já haviam atacado a sede da EMI em Kota, Rajasthan, em 14 de fevereiro, depois de descobrir um livro chamado A Verdade, à venda no campus. Segundo eles, o livro contém referências negativas aos deuses e deusas hindus e a importantes líderes hindus.

A polícia prendeu R.S. Nair, o responsável administrativo da EMI; Denis Nathaniel, que traduziu o livro; e o gerente da livraria, identificado apenas por seu sobrenome, Bhupendra, onde o livro estava sendo vendido.

Temendo mais violência, os responsáveis pela EMI cancelaram a sua convenção anual, que estava marcada para os dias 23 a 27 de fevereiro deste ano.

Invasão de domicílio

A polícia foi inesperadamente à casa de George em Bangalore aproximadamente às 20h30, quando ele estava viajando a trabalho.

"Minha mulher e minha filha casada pediram para que eles fossem embora, pois nós temos um bebê de 4 meses em casa", disse George.

Fazendo perguntas sobre o envolvimento de George com a EMI e com o Bispo Thomas, a polícia levantou alguns assuntos, o que levou a mulher de George a acreditar que o telefone deles estava grampeado.

Apesar de alegar que George não estava em casa, e da falta de um mandato de busca, os policiais revistaram toda a casa.

"Meu único crime é ter tentado defender a causa daqueles que não têm voz e são marginalizados", declarou George. "Minha mulher e minha filha foram humilhadas. Meu neto de 4 meses ficou amedrontado e chorava incessantemente depois que a polícia saiu."

George pediu que a Comissão Nacional de Direitos Humanos e o governo central tomassem uma atitude quanto à invasão de sua privacidade. "Eu temo que a polícia de Kota e seus estrategistas políticos planejem mais ataques a mim e a minha família."

John Dayal, membro do Conselho dos Cristãos da Índia (AICC, sigla em inglês), apelou para a intervenção pessoal do primeiro ministro da Índia, Manmohan Singh, para garantir a segurança de George e de Thomas, que recebeu ameaças de extremistas hindus.
 
Abraham Mathai, secretário-geral do AICC, disse que os advogados já entraram com pedido antecipado de fiança para Thomas na corte do distrito de Kota, temendo sua prisão por causa do livro.

De acordo com Dayal, a batida na casa de George é o último acontecimento de uma série de incidentes conduzidos pela polícia contra a EMI e as pessoas ligadas à organização.

Extremistas hindus atacaram vários trabalhadores da EMI e projetos de serviço social nos últimos meses. A polícia também deteve vários membros da equipe da missão este ano, enquanto outros receberam ameaças de morte.

A missão administra 103 orfanatos no país, mais de 140 escolas e 11 mil igrejas. Também proporciona ajuda a vítimas de desastres naturais, como o tsunami na Ásia em 2004, e, mais recentemente, desastres como a inundação de Bombaim em 2005.

Fundador da EMI, o arcebispo Thomas recebeu o prêmio Mahatma Gandhi em 2002 e o prêmio Padma Sheri, a maior honraria civil na Índia, em 2001, por seus serviços aos pobres.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE