Apesar da perseguição, cresce o número de cristãos uzbeques

| 27/01/2006 - 00:00


A intolerância religiosa no país predominantemente muçulmano tem aumentado desde a revolta contra o governo ocorrida em Andijan, em maio de 2005. Centenas de pessoas morreram quando forças de segurança do governo atacaram os manifestantes, que estavam desarmados.

Depois do que aconteceu em Andijan, as autoridades aumentaram o controle e tomaram medidas contra os cristãos, incluindo o fechamento de igrejas registradas em Nukus, Karakalpaquistão, porque algumas de suas atividades eram consideradas "trabalho missionário", de acordo com a Comissão de Liberdade Religiosa da Aliança Evangélica Mundial (WEA RLC, sigla em inglês). Outras razões dadas para o fechamento das igrejas incluem "agitação religiosa e distribuição de livros religiosos entre jovens" e "desobediência às ordens das autoridades" que mandaram a igreja parar de usar o seu templo porque era muito velho.

As organizações filantrópicas com funcionários cristãos também estão na mira do governo. Um número significativo tem sido fechado sem razão, relatou a Comissão da WEA em seu Boletim de Oração Liberdade.

A perseguição de cristãos protestantes depois da revolta em Andijan ainda inclui detenções, interrogatórios, ameaças, espancamentos, torturas, invasão de reuniões cristãs e confisco de livros cristãos.

Em uma vila, casas de cristãos foram privadas de água encanada com o objetivo de fazê-los se reconverter ao islamismo.

De forma oficial, há liberdade religiosa e os estrangeiros que vivem no Uzbequistão - como russos, coreanos e outros grupos cristãos - podem cultuar a Deus livremente.

Entretanto, a minoria cristã no país está sob constante ameaça das autoridades, bem como dos nacionalistas muçulmanos. Conforme a WEA, os uzbeques que aceitam e praticam o cristianismo são imediatamente atacados pela sociedade, pelas autoridades e por suas próprias famílias. Muitos cristãos uzbeques vivem sob a constante pressão da perseguição diária.

Em Andijan, um pastor chamado Bakhtier Tuichiev, sua família e sua igreja - a igreja do Evangelho Pleno "Ressurreição" - têm sido perseguidos pelas autoridades locais por diversos anos. Ele era um muçulmano que se converteu ao cristianismo e recebeu educação teológica em um seminário coreano em Novosibirsk.

"Sempre enfrentamos perseguição, mas ela tem piorado", disse o pastor em uma carta enviada a WEA RLC.

Em novembro de 2005 o pastor foi interrogado pela polícia por nove horas diárias durante quatro dias. Também foi multado e, durante o Natal, ele foi espancado e passou o feriado em tratamento intensivo.

A Comissão pede aos irmãos e irmãs cristãos para orarem pela concessão do novo registro da igreja em Nukus e pela restauração da justiça no Uzbequistão.

Apesar das dificuldades, a Comissão notou em seu boletim de liberdade religiosa que os cristãos no Uzbequistão continuam a crescer em número e que ex-criminosos e viciados em droga estão sendo mudados por Jesus e começando a viver corretamente.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE