Padres são expulsos de Belarus

| 29/12/2005 - 00:00


O padre Robert Krzywicki foi expulso depois de uma década trabalhando no país. "Há uma semana me disseram que meu visto não seria renovado e que eu deveria sair do país até o fim do ano", disse o padre no dia 22 de dezembro. O religioso atribui sua expulsão ao seu trabalho com os jovens da cidade de Borisov - jovens católicos ou não - e ao seu envolvimento com outras igrejas cristãs em eventos ecumênicos e humanitários. Outro padre também foi expulso com ele, os dois são polacos.

O padre Robert disse que as pessoas de sua paróquia em Borisov fizeram um abaixo-assinado, que já está agora em âmbito nacional, pedindo para as autoridades reverem sua decisão de não renovar o visto.

Dos 250 ou mais padres católicos em Belarus, mais da metade é estrangeira. A Igreja Católica é sofre muitas restrições quanto aos padres que convida, estando sujeitada a uma quota anual e sendo incapaz de transferi-los de uma paróquia a outra sem que o visto religioso seja cancelado e reemitido. Além disso, os trabalhadores religiosos estrangeiros não podem trabalhar na capital Minsk.

O Forum 18 soube que muitos outros padres que trabalharam na diocese de Minsk-Mogilev - uma vila perto da capital - também estão sendo expulsos. Eles já estavam em Belarus por uma década, mas nem eles nem a diocese estão contestando a decisão. A diocese de Minsk-Mogilev não comentou nada sobre o assunto.

"A igreja não quer um conflito com as autoridades", comentou o padre Robert. Ele disse que as autoridades permitiram que um novo padre da Polônia viesse a Belarus para ficar em seu lugar.

O padre disse que as autoridades se opuseram à sua atividade. "Eu cooperava com outras igrejas, incluindo a Batista, Pentecostal, Evangelho Pleno e Adventista, em reuniões de oração". Ele acrescentou que a Igreja Ortodoxa não tomava parte nesses eventos ecumênicos. O padre Robert disse que também era ativo em um fórum da cidade, que trabalhava com jovens e suas preocupações. "Não pedi autorização para fazer meu trabalho, mas eles estavam de olho em mim".

O padre disse que a sua expulsão lhe foi comunicada pelo vice-presidente do comitê de assuntos religiosos da região de Minsk. Mas ele acredita que a decisão foi tomada pelo gabinete central de assuntos religiosos.

Padre Robert, que fazia a missa em bielo-russo com sermões em russo, disse que as expulsões de padres estrangeiros que estavam há muito tempo no país impedem a igreja católica de ter um clérigo que entenda seus paroquianos. "Demora uns cinco anos para um padre de fora aprender a língua, a cultura e a situação", ele disse. "Quando um padre novo chega do exterior, ele não conhece nada disso".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE