Pastor Cai sofre pressão para não apelar da sentença

| 25/11/2005 - 00:00


O pastor Cai Zhuohua e dois outros cristãos condenados no dia 8 de novembro por "prática de negócios ilegais" abandonaram o plano de recorrer à justiça, dois dias antes do prazo estipulado.

Hu Jinyun, outro cristão, irá continuar o processo através de seus próprios advogados, de acordo com a Associação de Ajuda da China (CAA).

Um assistente da Corte Popular do Distrito de Haidan visitou Cai no centro de detenção de Qinghe e o preveniu de que sua sentença seria aumentada caso ele "incomodasse" os juízes com sua petição, como informa a CAA. Enfrentando enorme pressão, Cai, sua esposa e seus dois cunhados concordaram em retirar o recurso.

A decisão veio quando o presidente dos Estados Unidos George W. Bush iniciou seus oito dias de viagem pela Ásia. Bush esteve na China entre os dias 19 e 21. Em um discurso feito no Japão, ele pediu para a China abrir as portas para uma maior liberdade religiosa e política.

Cai, sua esposa Xiao Yunfei, seu cunhado Xiao Gaowen e sua cunhada Hu Jinyun foram presos no ano passado, depois de uma batida policial num depósito de uma igreja onde havia 237.000 cópias impressas da Bíblia e de outras literaturas cristãs.

A China exige uma autorização governamental para todos os tipos de publicação, e é muito difícil obter autorização para publicações religiosas.

O pastor Cai alegou que os livros foram impressos para distribuição gratuita através da rede de igrejas domésticas, mas os oficiais acusaram o pastor e os outros membros da família de gerir um negócio lucrativo.

O juiz You Tao os declarou culpados. Cai foi sentenciado a três anos de prisão, sua esposa a dois anos, e seu irmão a dezoito meses. Hu Jinyun escapou da punição por apresentar uma prova à polícia.

O defensor de direitos humanos Gao Zhisheng, advogado principal da equipe de defesa, recebeu uma notificação, no dia 4 quatro de novembro, que suspendia por um ano sua licença para advogar. Quando o juiz sentenciou seus clientes, depois de quatro dias, Cai e seus parentes tinham somente dez dias para entrar com o recurso. Entretanto, por causa das restrições feitas contra a firma de Gao, isso era quase uma impossibilidade.
 
O pastor Cai lidera seis igrejas domésticas em Pequim. A "Epoch Times" citou uma carta de um membro de uma dessas igrejas para os advogados de Cai:

"Ficamos chocados e zangados quando soubemos que o advogado Gao Zhisheng foi forçado a encerrar suas práticas na justiça por ajudar pessoas a terem seus direitos. Vocês enfrentaram muitas dificuldades e barreiras para defender o irmão Cai Zhuohua e sua família, arriscando até mesmo seus interesses pessoais. Sua coragem ficará marcada em nossos corações."

A corregedoria de Pequim informou que fechou o escritório de Gao por deixar de fazer uma solicitação de mudança de endereço quando ele mudou suas instalações e por fornecer ilegalmente documentos para outros advogados.

Muitos acreditam que a suspensão também está ligada a uma carta aberta que Gao escreveu no dia 18 de outubro, desafiando o presidente da China Hu Jintao e o primeiro ministro Wen Jiabao, intitulada "Pare com a perseguição e conserte seus laços com o povo chinês".

Gao também defendeu os membros do controverso movimento Falun Gong, comandando visitas freqüentes de oficiais chineses e uma investigação de seus arquivos e contas.

No início desse ano a China alegou melhorias nos direitos humanos. Numa sessão da Comissão dos Direitos Humanos da ONU, em abril, o representante Shen Youngxiang alegou que os direitos políticos e civis "vão da liberdade pessoal aos direitos matrimoniais e familiares, do direito a um julgamento justo até as liberdades de expressão e crença que refletem princípios éticos e sociais básicos da humanidade ... portanto, direitos políticos e civis são universais".

Ele qualificou sua declaração dizendo: "Para tornar concretos os direitos políticos e civis, os países inevitavelmente possuem caminhos diferentes para desenvolvimento e prioridades, sem superioridade de um aspecto em relação ao outro".

O Departamento do Estado Americano publicou um relatório no dia 8 de novembro citando a China como um dos piores violadores da liberdade religiosa no mundo.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE