Documento revela estratégia para "lutar contra religião"

| 02/11/2005 - 00:00


Oficiais em áreas tribais do Vietnã juraram "lutar contra a religião", de acordo com um documento secreto obtido por um grupo americano.

O Centro de Liberdade Religiosa da Casa da Liberdade, em Washington, D.C., informou que o documento, emitido no começo deste ano por um braço local do Partido Comunista Vietnamita, revela uma política oficial que impõe aos cristãos da minoria étnica hmong o abandono de sua fé e a "erradicação" de lugares cristãos de reunião.

O documento, do gabinete do partido do distrito de Muong Nhe, é do dia 25 de fevereiro e descreve uma campanha clara, feita pelo partido comunista e oficiais do governo em parceria com a polícia e o exército.

A Casa da Liberdade disse que a campanha foi agendada para acontecer de 2 de março até 30 de junho, mas por ser o distrito rural muito remoto, a sua realização não foi confirmada.

O documento pede pela "mobilização das massas para lutar contra e resistir à religião e aos credos religiosos, além de erradicar lugares que comprometam a segurança pública".

A Casa da Liberdade diz que "lugares" é uma referência óbvia às igrejas domésticas cristãs.

As células comunistas "farão com que as pessoas abandonem sua religião e retornem às suas crenças e costumes tradicionais (...) e inspecionará as áreas ainda não infiltradas com a religião de Vang Chupara que não infecte outras localidades", diz o documento.

Será requerido de líderes de vilas que "desenvolvam regulamentações e formulários de garantia" a serem assinados por aqueles pressionados a desistirem de sua fé.

A Casa da Liberdade já havia noticiado antes sobre vários cristãos hmong raptados para "reeducação", na qual tiveram que deixar sua fé e foram oprimidos, espancados e obrigados a beber vinho até se intoxicarem.

Eles também foram obrigados a assinar garantias de que renunciavam à sua fé.

"Esse documento indica que, como sempre, a situação no Vietnã pode ser resumida como de repressão", disse Nina Shea, diretora do Centro pela Religião e membro da Comissão Americana de Liberdade Religiosa Internacional.

O grupo de Nina afirma que o documento expedido não considerava o fato de que os cristãos hmong estavam ligados à Igreja Evangélica do Vietnã do Norte, reconhecida oficialmente. Ele também ignorava que a igreja havia emitido certificados de aceitação para 981 congregações de minoria étnica - a maioria era hmong.

O grupo declarou: "Isso indica que, apesar da propaganda pública do Vietnã afirmar a mudança de sua política, o país continua com a repressão religiosa".

Em maio, John Hanford, enviado americano especial para liberdade religiosa internacional, anunciou um acordo, no qual o Vietnã libertaria 12 prisioneiros de consciência, implementando por completo a nova legislação do Vietnã e sua "Instrução Especial em Relação ao Protestantismo", do dia 4 de fevereiro. Além disso, asseguraria que as autoridades locais "adeririam de forma estrita e completa à nova lei", em especial com respeito à prática de forçar prisioneiros a renegar sua fé.

Mas a repressão continuou, afirmou a Casa da Liberdade.

Estima-se que 100 fiéis de várias religiões estejam presos ou sob alguma forma de prisão domiciliar por atividade religiosa. Centenas de igrejas, centros de culto domésticos e lugares de reunião permanecem fechados.

Nina disse que "mesmo o Departamento de Estado tendo colocado o Vietnã em sua lista de País de preocupação específica de 2004, de acordo com o Ato de Liberdade Religiosa Internacional, não houve recomendação de nenhuma sanção contra esse país".

"Em vez disso, o Departamento tentou induções positivas para que o Vietnã mudasse suas atitudes repressivas. Agora é hora de implementar as sanções previstas no ato".

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE