Governo se dispõe a revisar decreto sobre locais de culto

| 26/09/2005 - 00:00


O governo indonésio está para autorizar fóruns ecumênicos - agrupamentos regionais independentes de líderes de vários credos - para emitir autorizações para o estabelecimento de locais de culto, uma medida que é esperada para ajudar a pôr um fim no recente conflito sobre o estabelecimento de igrejas. Extremistas muçulmanos fecharam mais de 20 igrejas durante o ano passado, as quais eles afirmavam terem sido abertas ilegalmente. Até agora, qualquer interessado em estabelecer casa de culto deve obter aprovação dos administradores locais, com o consentimento dos moradores.

A decisão de dar aos fóruns ecumênicos uma maior autoridade foi tomada na reunião de altos oficiais do governo, incluindo o ministro de Assuntos Internos da Indonésia, M. Maruf, o ministro de assuntos religiosos M. Maftuh Basyuni e o ministro de Justiça e Direitos Humanos Hamid Awaluddin, que concordou com as revisões de um decreto controverso e antigo, de 36 anos, que governa a criação de casas de culto.

Os cristãos, uma minoria na Indonésia esmagadoramente muçulmana, consideram que o decreto criou dificuldades para que eles organizassem igrejas, particularmente nas regiões predominantemente muçulmanas. O fechamento de dúzias de igrejas em Java Ocidental - apoiado pela polícia - tem sido fortemente criticado por líderes cristãos e muçulmanos, e estimulou o governo a revisar o decreto de 1969.

No futuro, os fóruns ecumênicos - cuja missão é resolver os conflitos inter-religiosos - serão responsáveis por emitir as permissões necessárias para abrir uma casa de culto, e os administradores locais terão apenas um papel de coordenação. Os chefes dos administradores locais também terão um papel de "manter a harmonia ecumênica" através da coordenação do fórum ecumênico e das agências de questões religiosas nas regiões.

"O decreto foi feito em 1969. Agora, estamos na era da descentralização e da autonomia regional. Esperamos um tipo de delegação feita pelos governadores e regentes (chefes de distrito) ou prefeitos para o nível da vila", Maruf afirmou.

O decreto, assinado pelo então ministro de assuntos religiosos Muhammad Dahlan e o ministro do Interior Amir Machmud, tem sido a causa do fechamento de casas de culto cristãs recentemente.

Maruf disse que as revisões do decreto não podem estar sujeitas a múltiplas interpretações e devem ser feitas a fim de proteger os direitos dos cidadãos de realizar suas atividades religiosas.

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE