Parlamento europeu quer fim da repressão na China

| 17/09/2005 - 00:00


Uma proposta apresentada pelo vice-presidente da Assembléia Legislativa do Parlamento Europeu, Mario Mauro e pelo membro José Ribeiro y Castro, pedindo ao governo chinês para encerrar a discriminação e a repressão religiosa em seu país, foi adotada pelo Parlamento Europeu, relata o International Christian Concern (ICC - Interesse Cristão Internacional).

A proposta dá voz a uma preocupação particular sobre a "perseguição de longo prazo" aos membros da Igreja Católica na República Democrática da China que, com a repressão de religião do estado, tem sido "forçada a se tornar clandestina".

O Parlamento Europeu, durante uma sessão plenária, pediu à Comissão, ao Conselho e aos Membros do Estado para pressionarem o governo chinês na questão da perseguição dos cristãos chineses.

O Parlamento Europeu também pediu a esses membros da União Europeía para obter informação do governo chinês, detalhando o desaparecimento ou prisão, de acordo com uma lista publicada pelo AsiaNews.

"A proposta chegou à assembléia tarde no que se refere à prisão desses homens por causa da obstinada oposição desses grupos parlamentares, mais sensíveis a acordos de negócios que aos direitos humanos", disse Mario Mauro.

O sr. Mario também aconselhou um ultimato para a China em relação à perseguição religiosa: "Não podemos continuar a aceitar que bispos, padres e grupos religiosos, que pedem pela liberdade religiosa, sejam acusados de ser terroristas, contra-revolucionários, inimigos da China e enviados à prisão e perseguidos".

A proposta, que também pediu a Beijing para assegurar que ela "respeite os padrões internacionais de direitos humanos bem como os direitos religiosos", recebeu um profuso apoio de cada partido no Parlamento Europeu.

O apelo também foi feito à Comissão e ao Conselho para exigir "a liberdade incondicional de todos os católicos chineses encarcerados por causa de suas convicções religiosas e o fim imediato de todos os tipos de violência dirigidos a eles".

A proposta coincide com um impasse entre o Vaticano e os oficiais chineses, que rejeitaram um convite do Papa para quatro bispos católicos participarem de uma conferência em Roma.

Os oficiais chineses negaram a permissão para os clérigos participarem, sob o pretexto de que a decisão do Vaticano "mostra desrespeito", disse a agência de notícias Xinhua.

A recusa é um golpe aos esforços do Papa de melhorar seus laços oficiais com a China, que ordenou os chineses católicos a cortarem relações com o Vaticano em 1951.

Texto enviado por Daila Fanny


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE