Java Ocidental enfrenta o fechamento de igrejas

| 31/08/2005 - 00:00


Igrejas cristãs na Indonésia estão, cada vez mais, sendo atacadas por militantes muçulmanos, dizem alguns oficiais de igrejas, com mais de 20 igrejas forçadas a fecharem suas portas nas últimas semanas na ilha de Java.

Os ataques vieram depois que o maior corpo muçulmano da Indonésia, o Conselho de Ulemás da Indonésia ou MUI, emitiu uma série de fatwas - ou editos religiosos - controversos, os quais incluíam o banimento de casamentos mistos, pluralismo religioso e orações ecumênicas - a menos que um muçulmano estivesse liderando o culto.

Nos últimos meses, multidões armadas de facas intimidaram os oficiais das igrejas, forçando-os a suspender as cerimônias religiosas em 23 igrejas em toda a  Java Ocidental, disse Richard Daulay, o líder da Comunhão Indonésia de Igrejas.

A polícia se recusou a interromper o fechamento das igrejas, dizendo ao "The Jakarta Post" (O Correio de Jacarta) que muitas igrejas não tinham permissão de funcionamento - o que Richard diz que é mentira. Richard diz que se queixou ao presidente Susilo Bambang Yudhoyono no começo da semana sobre a inação policial e pediu a ele para proteger as minorias religiosas.

"Isso não está de acordo com os princípios dos direitos humanos, nem de acordo com a constituição desse país, que garante liberdade de religião", ele disse.
A maioria dos muçulmanos indonésios pratica uma corrente moderada do islamismo, que combina os credos animista, hindu e budista, e são tolerantes a outros grupos religiosos, disse Richard.

Apesar da maioria das 220 milhões de pessoas da Indonésia ser muçulmana, essa não é a religião do estado, mas apenas uma das cinco religiões oficialmente reconhecidas.
Mas para Richard e outros, os ataques nas igrejas foram um sinal de que uma corrente mais fundamentalista do islamismo está se enraizando na Indonésia.

Abdull Basit, o chefe do Amadiyah, uma seita islâmica minoritária que teve suas mesquitas e escritórios também atacados por grupos muçulmanos militantes nas últimas semanas, concorda com essa opinião.

"O radicalismo está lançando as suas raízes", ele disse.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE