Família iraniana enfrenta dilema

| 27/08/2005 - 00:00


Uma briga massiva está fermentando os assuntos relacionados aos direitos dos imigrantes que pediram asilo no Reino Unido.

No atual caso, sob consideração do Ministério do Interior britânico, uma família iraniana perdeu seu apelo contra a decisão de remoção de seus privilégios e de despejo de sua casa em Bury, Grande Manchester.

De acordo com a British Broadcasting Corporation (BBC), Zohreh Khanali, 27, seu marido Vahid, 38, com suas filhas Mobina, de seis meses, e Parisa, seis anos, vieram para o Reino Unido afirmando que eram perseguidos por serem cristãos.

A família Khanali, que está vivendo em Bury, já perdeu sua batalha por asilo político, mas, desde que chegou ao país há dois anos, teve apoio dos membros do conselho regional, de sua igreja e dos tutores de uma escola primária onde Parisa está sendo educada.

O governo introduziu a Seção 9 no Ato de Asilo e Imigração de 2004, emendando a legislação de 2002, que determina que as famílias com crianças podem ser privadas de habitação e apoio básico se seu pedido inicial de asilo for recusado. Mas como as autoridades têm um excessivo dever de cuidado em relação às crianças, se a família é deixada destituída, as crianças devem ser levadas sob a custódia do governo.

As duas crianças da família Khanali podem ser levadas agora sob custódia do governo, de acordo com a Seção 9 do Ato.

Reportagens dizem que o casal cristão iraniano enfrenta agora a escolha "desumana de voltar à perseguição religiosa em sua terra natal ou perder a guarda dos seus filhos se permanecerem no Reino Unido.

"É uma situação terrível em que a família se encontra e o conselho está agora em uma posição muito difícil", disse o conselheiro Tim Chamberlain, membro executivo de Saúde e Bem-estar do Conselho de Bury.

"Temos que atravessar a corda bamba entre o que temos que fazer de acordo com o Ato e o que somos obrigados a fazer a fim de proteger os melhores interesses das crianças. Conforme entendemos, o melhor para as crianças é que elas permaneçam com a sua família".

"O que nos está sendo pedido para fazer, sob a Seção 9 do Ato de Imigração, mina os Direitos das Crianças", ele acrescentou.

O procurador da família, John Nicholson, disse que "eles tem sido perseguidos desde antes do nascimento do bebê de seis meses e não sabem que caminho tomar".

A BBC diz que a família venceu uma audiência similar contra o Ministério do Interior no começo de agosto, mas que agora enfrenta a perda de seus privilégios, a menos que eles cooperem com o governo e deixem o Reino Unido voluntariamente.

Em um enunciado, o Ministério do Interior disse que estava mandando "um sinal claro ... de que as famílias que não conseguiram asilo no Reino Unido devem voltar para casa".

O enunciado acrescenta: "O apoio não será retirado se a família cooperar com os arranjos para voltarem ao seu país natal e não há absolutamente nenhuma razão para a família ficar destituída ou ser dividida. Nós não cremos que os pais iriam colocar seus filhos nesta posição".

Texto enviado por Daila Fanny.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE