Fundamentalistas alegam "conversão forçada"

| 05/08/2005 - 00:00


A Suprema Corte do estado de Orissa requereu que oficiais locais examinem as reclamações de "conversões forçadas" e ordenou a execução da lei estadual anticonversão.

A corte deu a ordem no fim de junho, em resposta a uma ação de interesse público proposta por Ananta Kumar Satrusalya e 268 outras pessoas que fazem parte de 19 vilas no distrito de Orissa Gajapati.

Os requerentes argumentam que organizações missionárias cristãs estavam convertendo à força pessoas que moram em tribos e pessoas humildes no distrito. Orissa aprovou um Ato pela Liberdade de Religião (OFRA) em 1967, proibindo "conversão pelo uso da força ou por indução ou por meios fraudulentos".
 
A Suprema Corte agora instruiu a polícia do distrito de Gajapati a registrar casos de alegada conversão forçada nas seções 3, 4 e 5 do OFRA e submeter as acusações "imediatamente".

A seção 3 do Ato descreve o que constitui uma conversão "forçada". A seção 4 estabelece a sanção por contrariar a seção 3: prisão de até um ano e multa de até 5.000 rúpias (115 dólares). Quando a ofensa é cometida contra um menor de idade, uma mulher ou uma pessoa pertencente a uma casta "marcada" (como os dalits) ou tribo, o ofensor pode ser preso por até dois anos e multado em até 10.000 rúpias (230 dólares).
 
A seção 5 permite a qualquer ofensor ao Ato ser julgado na corte.

Organizações fundamentalistas hindus têm tratado a ordem da Suprema Corte como prova de que conversões forçadas estão ocorrendo. Mas B. Direito Das, um membro da Associação Legal Cristã da Índia, diz que essa presunção é falsa.

"A Suprema Corte meramente declarou ... que os administradores do distrito devem investigar para saber se as reclamações de conversões forçadas são baseadas em fatos," ele explicou.

No dia 3 de Julho, o "Organiser", uma publicação semanal de Rashtriya Swayamsevak Sangh (RSS), disse que a corte fez um "julgamento histórico" e que "todas as reclamações referentes à questão serão tidas como de extrema importância, e a administração deve preencher os papéis de acusação formal sem nenhum atraso".

O artigo também citou a Suprema Corte como dizendo que "a polícia e a administração do distrito não devem permanecer em silêncio sobre a delicada questão da conversão".

Gouri Prashad Rath, secretário do estado de Vishwa Hindu Parishad (VHP ou Conselho Mundial Hindu), descreveu a ordem como "extremamente necessária," de acordo com o "Organiser".  

A decisão da corte também foi manchete em um site anticristão (www.christianaggression.org) que afirma que "o fundamentalismo cristão está incitando um ciclo de violência e agressão."

Os fundamentalistas hindus são ativos em Orissa. O estado possui 60.000 membros filiados ao VHP, enquanto a facção jovem Bajrang Dal possui 20.000 membros em 200 localidades.

Observadores estimam que o RSS realiza 2.500 reuniões matinais diárias, conhecidas como shakhas, e possui uma base de suporte de cerca de 100.000.

Acredita-se que mais de 4 milhões de residentes de Orissa são membros do Partido Hindu Nacionalista Bharatiya Janata Party, um aliado do partido atualmente no poder, Biju Janata Dal.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE