Cristã malaia luta por direito de conversão

| 20/10/2004 - 00:00


Na maioria dos países do mundo, os cidadãos têm o direito de mudar de religião. Mas um recente caso prova que esse direito não é necessariamente aplicado na Malásia.

No dia 14 de outubro, a Corte de Apelos ouviu o caso de Azlina Jailani, que adotou o nome de Lina Joy quando se tornou cristã em 1998. Lina Joy apelou, pela segunda vez, pelo direito de remover a palavra "islã" de sua carteira de identidade. Um pronunciamento público da decisão é esperado imediatamente.

Na Malásia, todos os malaios étnicos são considerados muçulmanos por nascimento. Malaios e outros grupos indígenas totalizam 58% da população. Chineses, indianos e outros grupos imigrantes compõem o restante. Um censo feito em 2000 afirmou que 60,4% da população total era muçulmana.
 
Lina Joy pediu permissão para mudar seu status religioso pela primeira vez em 2001. Sem essa mudança oficial, ela não pode casar-se fora da fé islâmica.

De qualquer forma, de acordo com uma reportagem de um jornal malaio, em maio de 2001, o juiz da Suprema Corte, Datuk Faiza Tamby Chik, declarou que "como uma malaia, a pleiteadora vive sob os dogmas do islã até a sua morte".

O juiz Datuk também decidiu que a corte islâmica da sharia deve cuidar do caso, uma vez que a conversão está sob a jurisdição da sharia.

Essa decisão cria obstáculos enormes para Lina Joy. O Alcorão afirma que o ato de apostasia - ou o abandono da fé muçulmana - é punível com morte. Uma corte da sharia é, então, altamente improvável de conceder permissão para a mudança de religião.

Sob a lei malaia, apóstatas podem ser sentenciados a passar três anos em centros de reabilitação de fé, onde conselheiros muçulmanos tentam persuadi-los a retornar ao Islã. Se o apóstata não "arrepender-se", eles podem ser sentenciados a mais seis anos de "reabilitação".

Lina Joy apelou contra a decisão de 2001 do juiz Datuk baseada no fato de que a constituição malaia garante liberdade de religião. Ao fazer isso, ela espera lograr a corte da sharia.

O artigo 11 da constituição garante que cidadãos malaios têm o direito de adotar a religião de sua escolha.

De qualquer forma, na prática, parece que o artigo 11 não se aplica a malaios étnicos. Uma reportagem feita pela Comissão dos Estados Unidos de Liberdade Religiosa Internacional, no dia 15 de setembro, confirmou que, enquanto a constituição garante liberdade religiosa, o governo tem posto "algumas restrições" a este direito.

Lina Joy argumentou que, como uma cristã convertida, ela não deveria estar sujeita a lei da sharia.
Entretanto, o professor de lei islâmica, Shad Faruqi, afirmou no Straits Times do dia 11 de outubro, que o requerimento de aprovação oficial para conversão era um meio de proteção legal. Sem ele, muçulmanos poderiam esquivar-se da lei da sharia, deixando sua fé sempre que fossem acusados por uma transgressão religiosa

O caso de Lina Joy destaca a necessidade da Malásia estabelecer leis claras sobre a conversão religiosa. Tanto a corte civil como a da sharia estão relutantes em cuidar desses casos por causa da controvérsia envolvida.

Uma decisão similar no começo desse ano iniciou um debate acalorado em jornais e fóruns on-line. Os quatro malaios muçulmanos, que eram o centro do debate, fizeram seu pedido de mudança de religião em 1992, mas a corte recusou a permissão e sentenciou-os a vinte meses de aprisionamento.

Em agosto de 1998, os quatro renunciaram formalmente ao Islã perante uma comissão de juramento. A corte da sharia Kelantan então os acusou de desprezo por recusarem-se a freqüentar classes de reabilitação, as quais eram parte de sua sentença original em 1992, e sentenciou-os a três anos adicionais em um campo de reabilitação. Os apelos a Suprema Corte foram rejeitados em julho de 2004.

Cidadãos malaios também estão debatendo o caso de Lina Joy. O administrador do fórum United Subang Jaya Web, que usa o nome "Kwchang", perguntou recentemente aos membros do fórum: "Se eu não tivesse islã na minha identidade, eu poderia ser discriminado por ser um não-muçulmano?".

Um membro identificado apenas por Timo respondeu: "Isso leva a outra questão, uma que eu havia perguntado antes. Os malaios têm que ser islâmicos?".

Outro membro respondeu: "Essa é umas das coisas que me fazem ter vergonha de minha própria religião. Não há nada de anti-islâmico no ato de denunciar o islamismo. Na verdade, é mais anti-islâmico proibir as pessoas de fazê-lo".

Nesse meio tempo, o Primeiro Ministro Abdullah Ahmad Badawi, dirigindo-se a um congresso da Organização Nacional dos Malaios Unidos (ONMU) em setembro, promoveu seu conceito de Islam Hadhari - uma forma progressiva de islamismo, designada a equipar muçulmanos malaios aos desafios da sociedade moderna.

Sob o Islam Hadhari, "o islã deve ser entregue de uma maneira judiciosa através de lembretes e avisos, através de diálogo e troca de pensamentos. A guerra e o uso da força não devem ser usados como um atalho ao sucesso".

Abdullah também afirmou que a ONMU, o partido governante, "opõe-se com firmeza ao uso do islamismo como um instrumento de manipular as crenças das pessoas".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE