Pastores continuam presos

| 25/08/2004 - 00:00


Nove semanas após a prisão de três importantes pastores pela polícia da Eritréia, o governo de Asmara continua mantendo todos os presos em delegacias separadas na capital.

Presos desde 23 de maio, o pastor Haile Naizgi e o Dr. Kiflu Gebremeske são pastores titulares na Igreja do Evangelho Pleno, e o pastor Tesfatsion Hagos, da Igreja Evangélica Rhema.

Apesar de as autoridades terem permitido aos familiares dos pastores trazer comida e roupa enquanto eles estiverem detidos, o contato direto foi negado.
 
Não foi dado nenhum motivo para as prisões, e ninguém foi acusado legalmente. Sob procedimento padrão, qualquer cidadão detido pela polícia ou qualquer outra força militar é sujeito a um profundo interrogatório nas primeiras 24 horas da prisão.

Consta que familiares pediram, há duas semanas, a liberação dos homens sob fiança, portanto, requerendo que eles sejam acusados formalmente perante um tribunal. Porém, de acordo com uma fonte próxima aos familiares dos pastores, um dos líderes da igreja enviou um recado dizendo: "Não espere a minha liberação tão cedo".
 
Enquanto isso, outro pastor conseguiu escapar do Centro Militar de Sawa, junto com um conhecido músico cristão, também preso lá. Depois de muitos meses de prisão em Sawa, o pastor Mengse Tweldemedhane e o cantor Yonas Haile fugiram juntos pela fronteira com o Sudão, no final de junho.

O pastor da Asmara"s Hallelujah Church, Tweldemedhane, foi trancado em uma cela subterrânea no campo militar de Adi-Abyto após sua prisão no dia 15 de fevereiro com outros cinqüenta membros de sua congregação. Ele foi transferido posteriormente para um confinamento militar no campo de Sawa.

Haile, que foi preso em Asmara no dia 19 de março por lançar um clipe intitulado "Jesus: A solução para o problema do homem", estava encarcerado em Sawa desde 24 de Março.

Mas, a cantora popular Helen Berhane continua sob confinada em um container no campo militar de Mai Serwa, no norte de Asmara, onde ela foi presa, no dia 23 de maio.

Sendo membro da Rema Church, Helen se recusou a assinar um documento negando sua fé e prometendo parar de participar nas atividades cristãs locais. Um comandante militar disse à mulher de 29 anos: "Você não poderá receber visitas, e vai apodrecer aqui até assinar esse papel".

Os militares da Eritréia freqüentemente usam containers de metal como celas de confinamento, prendendo até treze prisioneiros juntos, ou colocando indivíduos em solitárias. Aos presos é permitido sair duas vezes ao dia, sob guarda, para aliviar-se, mas por outro lado, são sujeitos a altas temperaturas de dia e de noite: "É como estar preso dentro de um forno de dia e à noite vira uma geladeira", lembrou um cristão após a experiência.

Um dos guardas de Helen recentemente a denunciou ao comandante após pegá-la ouvindo a um programa cristão em um radinho no seu container. Como castigo, o comandante a transferiu para uma cela subterrânea, onde ela foi mantida acorrentada por duas semanas.

Também outra cantora cristã, Hamelmale Habtemichel, da Kale Kiwot Church, foi presa em Mendefera, na terceira semana de junho, por divulgar uma nova fita de música. Ela foi detida junto com a dona da loja, Tsegay Abraha, que havia gravado e exibido a fita da cantora em sua loja para venda.  Ambas foram soltas da delegacia de Mendefera depois de quase um mês sob custódia.

Vários cristãos presos em containers em Mai Serwa nos últimos meses relataram que pelo menos nove membros das testemunhas de Jeová estão encarcerados lá, incluindo um senhor de 96 anos que sofre de diarréia crônica.

Foi dito pelos interrogadores que o Ministério de Defesa enviou ordens secretas para invadir e parar todas as reuniões nas casas dos cristas ilegais. As ordens vieram logo após o presidente Isaias Afewerki, declarar publicamente, em 5 de março, que o Governo não iria mais tolerar grupos religiosos que estavam "distraindo o povo da unidade e distorcendo o verdadeiro significado de religião".

A prisão de outros quatro cristãos no dia 5 de julho, foi confirmada na capital de Asmara . Duas mulheres da Full Gospel Church foram presas enquanto compartilhavam sua fé ao longo da rua de Abashawelo, em Asmara. Foi a segunda prisão para Meaza Araya, de 34 anos, anteriormente presa por ir a um culto secreto, mas a primeira para Elsa Ghermay, de 30 anos, uma solteira que mora com sua mãe idosa. Ambas foram levadas no mesmo dia para a prisão militar de Mai Serwa, onde elas permanecem até hoje.

O Governo fechou as Igrejas Independentes Protestantes nacionais em maio de 2002, proibindo vinte mil membros de doze denominações de cultuarem até mesmo em seus lares. Somado aos indígenas pentecostais e às congregações Ccrismáticas, os grupos ilegais incluem os Adventistas, Presbiterianos, Assembléias de Deus e Igrejas Metodistas.

Apesar de os evangélicos terem sido ordenados a pediram ao Departamento de Questões Religiosas para registros a fim de se tornarem legais novamente, os que concluíram o processo de aplicação envolvido, esperam há dois anos por uma resposta do governo.

A Constituição eritréia garante liberdade religiosa para todos os cidadãos. Mas, o governo de Afewerki reconhece apenas cristãos ortodoxos, católicos ou luteranos e muçulmanos como membros das religiões "oficiais".


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE