Prefeito diz que a festa do ‘Orgulho Gay Mundial’ vai provocar a Cidad

| 14/06/2004 - 00:00


O prefeito de Jerusalém, Uri Lupolianski, é contra a idéia da realização de um encontro internacional de homossexuais em sua cidade no ano que vem, pois isso iria, segundo ele, provocar os moradores da cidade. "O prefeito de Jerusalém é contra a realização do Orgulho Gay Mundial na cidade," disse o porta-voz da municipalidade de Jerusalém Giddy Schmerling em resposta por escrito a uma pergunta da CNSNews.com.

"O motivo é o medo de que grupos religiosos e conservadores possam considerar o evento como uma provocação, e que a parada possa incitar grandes protestos," disse Schmerling.

No entanto, Schmerling não informou se o prefeito estava tomando alguma providência para tentar evitar que o evento se realizasse.

A Associação Internacional de Coordenadores do Orgulho Lésbico, Gay, Bissexual e Transgênero, a Interpride, escolheu Jerusalém - cidade sagrada para judeus, cristãos e muçulmanos - como a sede do Orgulho Gay Mundial de 2005, um evento GLBT marcado para acontecer em agosto do ano que vem.

Essa seria a segunda edição do evento. O Orgulho Gay Mundial, realizado pela primeira vez em Roma, no ano de 2000, durante a festa comemorativa do aniversário do Vaticano, e que atraiu homossexuais do mundo todo.

Para desconforto de Lupolianski, a comunidade homossexual de Jerusalém realizou sua terceira parada anual na cidade na semana passada. Até o momento, as paradas não têm provocado grandes protestos.

"Esta parada é horrível. Não é apenas uma coisa feia; é também uma provocação," disse Lupolianski em uma entrevista de rádio na semana passada. "Não é conveniente para a cidade e ofende os sentimentos de seus moradores. Até mesmo quem não mora em Jerusalém deve compreender que esta é uma cidade sagrada para os judeus e para o mundo inteiro."

Lupolianski disse que Jerusalém era uma "Cidade Santa" em "sua essência" e que, portanto, não deveria ser palco de uma manifestação pública como essa.

"Há uma diferença entre ver pessoas dançando um ritmo próprio a que estão acostumadas, e assistir a uma parada, a qual é uma tentativa de passar pulando e pisando nos pés do público que observa," disse ele. Acrescentou que, se pudesse ter impedido legalmente essa parada, ele o teria feito.

Hagai El-Ad, diretor da Jerusalem Open House (Casa Aberta de Jerusalém), que é uma ONG GLBT na cidade, disse que as tentativas de impedir a parada não funcionaram, assim como não funcionarão quaisquer "tentativas semelhantes no futuro".

Apenas alguns poucos judeus religiosos protestaram contra a parada da semana passada. Muitas pessoas naturais de Jerusalém se manifestaram contra a realização desses eventos em sua cidade, mas a maioria optou por ignorá-los.

Jonathan Rosenblum, diretor da organização de mídia judia ortodoxa Am Echad, disse que, em sua maioria, os judeus religiosos acham que as grandes manifestações públicas não têm resultado algum.

O anterior Ministro do Turismo Benny Elon disse que não iria destinar verbas para o Orgulho Gay Mundial porque o evento não iria contribuir para o turismo e até poderia ofender os turistas que vêm para o "centro da Terra Santa."

Leia no original no Crosswalk


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE