Igrejas estatais veem com bons olhos nova lei de religião

| 24/10/2017 - 00:00


24-china-igrejas-estatais-veem-com-bons-olhos-nova-lei-de-religiao

Mês passado, a China aprovou novas regulações sobre assuntos religiosos, que devem vigorar a partir de 1 de fevereiro de 2018. Essas novas regulações são vistas positivamente pelas duas organizações (o Conselho Cristão da China e o Movimento Patriótico das Três Autonomias) que compõem a igreja sancionada pelo Estado na China. Juntas elas formam o lianghui, que afirma que as novas regulações “esclarecem o papel do cristianismo na sociedade e fortalecem suas construções”. 

Em um blog de sua revista oficial, o lianghui diz que a nova lei oferece garantias para a nacionalização do cristianismo, já que seus princípios gerais são no sentido de: salvaguardar a liberdade de religião dos cidadãos, defender a harmonia religiosa e social, regular assuntos religiosos, e melhorar o nível de atividade religiosa legal”. 

O artigo cita o presidente do país, Xi Jinping, que disse que “os grupos religiosos são uma ponte que conecta o Partido e o governo com as figuras da comunidade religiosa e suas massas religiosas”. Em seu discurso no congresso do Partido Comunista na última quarta-feira (18 de outubro), Xi Jinping reiterou a importância do nacionalismo chinês (ou sinicização). Ele disse que o governo apoia “o princípio de que as religiões na China devem ter uma orientação chinesa” e também providencia orientação “para que as religiões possam se adaptar à sociedade socialista”. 

Opiniões sobre nova lei divergem

Nos últimos meses, líderes da igreja chinesa manifestaram diferentes perspectivas sobre as novas regulações. Alguns disseram que o foco é inibir o aumento do extremismo islâmico e que não afetará muito os cristãos. Para outros, as autoridades relutam em impor regulações sobre as igrejas por medo de criar conflito e instabilidade. 

Mas alguns veem nas regulações um estreitamento das restrições, principalmente no que diz respeito ao trabalho com jovens e estudantes. Eles também acham que às vezes as autoridades locais deliberam punições para evitarem ser criticados por seus superiores. 

O analista da Portas Abertas Thomas Muller disse que a nova lei faz parte de uma tentativa do governo de nacionalizar todo aspecto da vida chinesa, seja na cultura, na mídia ou religião. “O fato de que o Estado não apenas depende de confiabilidade política, mas também de credibilidade religiosa, é um forte sinal de que se torna cada vez mais totalitário sob o pretexto de benevolência, proteção e patriotismo”, afirma. 

O professor associado da Univerdade de New Hampshire, Lawrence Reardon, diz que “para controlar os fiéis religiosos, o presidente continuará a fortalecer o controle do Partido sobre as religiões não-governamentais”. Muller conclui: “As implicações para a igreja chinesa estão por vir, e pode ser que essas leis se desenvolvam em novas regulações que afetem mais a igreja. A liberdade em todos os setores da sociedade tem encolhido desde que Xi Jinping assumiu o poder”. 

Leia também

Governo chinês revê leis religiosas

Cristãos ex-muçulmanos e ex-budistas são os mais perseguidos


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE