Fugir da Coreia do Norte está cada vez mais difícil

| 05/08/2015 - 00:00


De acordo com o relatório, emitido em julho, pelo Ministério da Unificação da Coreia do Sul, o número de desertores da Coreia do Norte caiu ligeiramente durante o último ano e permanece em um nível baixo comparativamente.

Daniel, analista da Portas Abertas, explica: ""Esses dados são tendenciosos. O número de desertores atingiu o pico em 2009 e, em seguida, diminuiu, estabilizando um pouco abaixo de 1.500 em 2014. A razão parece ser óbvia, é que o regime intensificou os esforços para monitorar a fronteira chinesa. Desertar se tornou muito mais perigoso e complicado”.

Daniel comenta que a outra explicação, menos óbvia, é que a situação econômica do país não está tão ruim quanto nos últimos anos. “Embora seja verdade que a oferta de alimentos esteja bem reduzida, e que há milhões de cidadãos sub-nutridos, a situação econômica parece estar melhorando levemente, dando aos desertores menos razão para fugir do país”.

Mas os perigos permanecem, além disso, a situação continua terrível para os cristãos. “Eles continuam a ser vistos como inimigos do Estado e o regime político continua com as restrições de sempre. Desde que Kim Jong Un chegou ao poder, o que temos testemunhado são sofrimentos contínuos”, conclui o analista.

Se você se interessou pela realidade dos nossos irmãos na Coreia do Norte, entre os dias 25 e 27 de setembro acontecerá o Shockwave  - uma onda de oração pela Igreja Perseguida, especialmente nesse ano pela Coreia do Norte. O encontro contará no dia 27 com a presença da cristã norte-coreana Heo-Woo que viveu em um campo de trabalhos forçados. Durante um fim de semana inteiro jovens em todo o Brasil se reunirão para orar pela Coreia do Norte em casa, na igreja, no parque, na faculdade e no trabalho. Inscreva-se!


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE