Cristãos são alvo da crescente violência no país

| 15/09/2017 - 00:00


 15-rca-tendas-de-capim-em-campo-de-refugiados

“Nós vamos fazer algo com vocês, cristãos, que não será esquecido por muitas gerações”. É o que uma das vítimas de ataques ouviu do homem que atirou em seu marido. Esse é apenas um exemplo que reflete o significativo aumento da violência na República Centro-Africana. Nos últimos dias tanto a ONU como a Anistia Internacional emitiram relatórios que mostram o crescimento da violência no país.

O relatório da ONU alerta para o risco de o país ser tomado por uma guerra civil. Já a Anistia Internacional documentou o padrão da violência, que inclui estupro, tortura, saques e morte. Tais atos são praticados pela União pela Paz, uma das milícias atuantes no país. O relatório da Anistia Internacional também destaca como o abuso de homens e mulheres é usado sistematicamente “como uma arma de guerra e como um meio de humilhar e degradar as vítimas”.

O analista de perseguição da pesquisa para a Lista Mundial da Perseguição – editada anualmente pela Portas Abertas, – Yonas Dembele, diz que apesar de haver uma missão de paz da ONU no país, ela não foi eficaz na restauração da paz. Ele diz também que a ONU e a União Africana deveriam tomar atitudes mais drásticas para desarmar as milícias e fazê-las pagar por seus crimes.

Leia também
Igreja enfrenta desafios ainda maiores
Igreja centro-africana media acordo de paz


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE