Cristãos argelinos vivem um momento delicado

| 03/03/2016 - 00:00


3-algeria-0260006487

De acordo com notícias da BBC News, o governo argelino iniciou um projeto de reforma constitucional, adotando alterações que introduzem um limite presidencial de apenas dois mandatos, além disso, o projeto reconheceu o idioma berbere como língua oficial do estado. Os povos berberes, que vivem em sua maioria no norte da África, em maior quantidade na Argélia e Marrocos, possuem um grupo linguístico composto de 25 ou 26 línguas, com uma escrita pouco conhecida e raramente utilizada. O número de falantes das línguas berberes está diminuindo lentamente à medida que muitos adotam a língua árabe.

Uma parte do povo da Argélia é composta pelos berberes, então as reformas constitucionais são destinadas a levar paz até eles também, evitando assim qualquer tipo de revolta popular semelhante às que abalaram os países vizinhos. As novas medidas também estão focadas em reestruturar a comissão eleitoral e abordar questões relacionadas com as mulheres e os jovens no país. Na área econômica, foram detectados vários problemas, em especial, nos preços da energia que dependem do petróleo, o que tem causado instabilidade financeira.

""Todos estes problemas que a Argélia está vivendo são devidos à atual enfermidade do presidente, ele sofreu dois derrames e já não fala em público há dois anos, mas a Argélia é representada por ele desde 1999. Abdelaziz Bouteflika é conhecido por sua mão pesada na luta contra o terrorismo"", comenta um dos analistas de perseguição. Boteflika foi reeleito no ano passado, em seu quarto mandato, atingindo mais de 80% dos votos. Lembrando que na Argélia, 97% da população é composta por muçulmanos e o governo adota o islã como religião principal. A situação dos cristãos é muito crítica e a pressão sobre eles tem aumentado cada vez mais.

A maior preocupação dos argelinos agora é com o sucessor do presidente, que já está beirando seus 80 anos de idade. ""Se o atual governo perder as rédeas da economia, poderá criar uma abertura para os grupos militantes desestabilizarem o país, agitar o povo e assim provocar uma ‘Primavera Árabe tardia’ o que poder afetar mais ainda a vida dos cristãos"", explica o analista. A Argélia ocupa o 37º lugar na Classificação da Perseguição Religiosa em 2016 e a igreja constituída por lá é ainda muito jovem, mas mesmo assim está em crescimento. A maioria dos cristãos se reúne em cultos domésticos, devido às restrições do governo. Lembre-se deles em suas orações!

Leia também
Cristãos têm de escolher Jesus ou sua família na Argélia


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE