Cristão é morto a tiros no norte do Sinai

Agressores que se identificaram como parte do Estado do Sinai mataram o jovem por ter a tatuagem de uma cruz no pulso

| 17/01/2018 - 00:00

Bassem não negou a fé em Jesus e ganhou a coroa da vida eterna (Foto ilustrativa)

Bassem não negou a fé em Jesus e ganhou a coroa da vida eterna (Foto ilustrativa)


No último sábado, o cristão Bassem, de 27 anos, voltava para casa após o trabalho, em Alarixe, capital da província do norte do Sinai, no Egito, quando foi abordado por três homens armados. Ele estava com seu irmão, Osama, e seu vizinho, Mohamed. Osama conta que quando eles se aproximaram, pensou que fossem policiais, pois estavam sem máscara. “Eles pediram para Bassem mostrar seu pulso direito e, quando viram que tinham a tatuagem de uma cruz, perguntaram ‘você é cristão?’”, relata Osama.

Os homens armados fizeram o mesmo com Mohamed, mas ele não tinha tatuagem, e o liberaram. No caso de Osama, a tatuagem é em cima da mão, e não no pulso, então eles não viram, porque ficou escondida sob a manga de sua camisa. No Egito, é muito comum que os cristãos tenham uma pequena cruz tatuada no pulso ou em algum lugar da mão. “Eles deram dois tiros no chão perto das minhas pernas e me falaram para sair”, relata Osama. Mas no caso de seu irmão Bassem, quando respondeu que era cristão, eles atiraram em sua cabeça.

Perseguição a cristãos é comum na região

Quando um amigo de Bassem, Milad, soube do ocorrido, ligou para o celular do amigo. “Os terroristas atenderam, disseram que pertenciam à Província do Sinai (grupo ligado ao Estado Islâmico) e prometeram matar mais cristãos”, diz Milad. Após uma sequência de assassinatos em Alarixe ano passado, muitas famílias se mudaram para as cidades de Ismailia ou Suez. Em março do ano passado foi estimado que 70% das 160 famílias cristãs de Alarixe deixaram a cidade.

Cerca de um ano atrás, o presidente Abdel Fattah El-Sisi ordenou seu governo a “tomar todas as medidas necessárias” para ajudar a restabelecer os cristãos que estavam fugindo do Norte do Sinai. No entanto, os ataques contra cristãos continuaram e eles não acreditam que o governo possa protegê-los. “A esperança e o sonho de um dia voltarmos para nossas casas em Alarixe se tornou ainda mais difícil após este incidente”, afirma Milad, que também se deslocou para Ismailia.

Quanto ao amigo Bassem, Milad diz: “Ele não renunciou a fé e não negou a Jesus Cristo; ele não temeu a morte. Na verdade, ele não morreu, mas ganhou a verdadeira vida no céu, com Jesus”. Ore pela família enlutada e pela Igreja Perseguida no Egito.

Leia também:
Estado Islâmico renova ameaças a cristãos coptas
Igreja cristã no Egito é reaberta após 22 anos
Igreja é fechada após falsas acusações


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE