Cristã grávida perde bebê durante ataque extremista

O incidente aconteceu no final de 2020, na Índia, e os cristãos continuam em busca de justiça

No dia 31 de dezembro de 2020, extremistas atacaram a casa do casal Rakesh Alave e Leela Alave, na vila de Devda, no distrito de Porbandar, na Índia. O pastor Arvind Piplode e cerca de 8 membros da igreja estavam na casa do casal se preparando para a oração de Ano Novo, quando 35 extremistas hindus invadiram a casa e atacaram os cristãos. Eles também pegaram o celular dos seguidores de Cristo e gritaram palavras contra o cristianismo.

Os jihadistas começaram a bater em todos os cristãos presentes na casa, incluindo Leela Alave, que estava grávida de oito meses. Um dos extremistas atacou a seguidora de Jesus na barriga, fazendo a cristã cair no chão enquanto chorava de dor. Ela entrou em trabalho de parto imediatamente, mas ninguém pôde levá-la ao hospital enquanto os extremistas continuavam agredindo todos. Enquanto isso, um dos cristãos conseguiu chamar a polícia, mas os agressores fugiram antes que as autoridades chegassem.

Leela entrou em trabalho de parto e, alguns momentos depois, deu à luz um bebê ainda com vida. Mas devido às agressões e por nascer prematuro, o bebê não resistiu. Rakesh, de 30 anos, e a esposa Leela têm outra filha de 2 anos. Desde o dia 6 de janeiro de 2021, os cristãos locais estão em frente à delegacia de polícia em Thikri, para pedir por justiça para a família Alave. Cerca de 50 a 60 seguidores de Jesus e pastores estão protestando e pedindo que as autoridades encontrem os agressores.

Pedidos de oração