Crianças cingalesas aprendem sobre o cristianismo

| 10/08/2016 - 00:00


Sri+Lanka_2015_0310105501.jpg

Rina* é uma cristã cingalesa de 21 anos que enfrenta a perseguição religiosa desde menina. Seu pai é um líder cristão e, como toda família que decide seguir o cristianismo, eles suportam a discriminação e a violência moral em todo o tempo. ""Na igreja eu aprendi que Jesus é o caminho para o céu, meu pai sempre pregava isso e os professores da Escola Bíblica explicavam com mais detalhes. Mas na escola, eu tinha que ouvir sobre as ‘quatro verdades nobres’ e o ‘caminho da iluminação’ da doutrina do budismo"", conta a jovem.

Legalmente, as escolas em Sri Lanka podem incluir em seu projeto pedagógico as aulas de religião, mas a maioria dos cidadãos enxergam isso como uma despesa adicional e indesejada. ""Eu gostaria de ter estudado o cristianismo na escola também, e na época, eu orei por isso durante três longos anos, mas eu fui obrigada a estudar budismo. Meus colegas ficavam impressionados porque eu sempre tinha a nota mais alta nessa disciplina. Eles me questionavam: ‘mas você não é uma cristã? Como consegue entender tão bem o budismo?’ E eu respondia: ‘Meu Deus me ajuda e assim eu não sou obrigada a frequenter um templo budista"", lembra Rina.

Depois disso tudo, Deus atendeu às orações dela e então foi autorizada a estudar o cristianismo na escola também. ""Tivemos uma professora cristã e eu fiquei muito satisfeita, mesmo sendo eu a única aluna cristã da sala. Às vezes, eu me sentia sozinha e isolada, principalmente quando colocaram fogo na minha igreja. A multidão escrevia comentários depreciativos nas paredes, sobre nossa família e eu tive que ficar um tempo sem ir à escola por causa disso"", ela conta. Mas depois de um preíodo, para o deleite de Rina, ela descobriu outros 12 cristãos na escola.

Desde 2015, a Portas Abertas está apoiando 35 professores voluntários cristãos. Esse ano, já são 50, e cada um deles consegue atender, pelo menos, 30 crianças cristãs. Dessa forma, elas não são mais obrigadas a aprender o budismo ou hinduísmo como se fossem a religiões oficiais do Estado. A lei garante aos cidadãos que pratiquem qualquer religião, mas nem sempre a lei é seguida à risca, principalmente pelos budistas radicais que tentam influenciar a sociedade de forma impositiva. É preciso lutar para que haja uma liberdade de religião efetiva. Notícias recentes mostram que esses professores compartilharam que muitas crianças se converteram ao cristianismo, influenciando também suas famílias, e que os resultados têm sido incríveis.

*Nome e imagem alterados por motivos de segurança.

Leia também
Crianças cingalesas enfrentam perseguição religiosa


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE