Corrupção pode ser um atrativo para os partidos islâmicos

| 22/07/2015 - 00:00


Nesse mês de julho, o jornal novaiorquino, Wall Street Journal, informou que vários documentos comprovam o envolvimento do presidente da Malásia, Najib Razak, em um escândalo de corrupção, que transferiu cerca de US$ 700 milhões do Fundo Estadual para contas bancárias privadas.

Daniel, analista da Portas Abertas, explica: ""O Fundo do Estado tem como fundador o próprio presidente Razak, desde 2009, além disso, ele também é o chefe do Conselho Consultivo. Descobriram um déficit impressionante de 11,2 bilhões de dólares, do qual ele pode ser o responsável”.

Para ele, se o presidente Razak tiver uma avaliação negativa da opinião pública, isso pode vir a ser um catalisador para chamar a atenção dos partidos islâmicos, como já foi discutido no bimestre passado. E os políticos islâmicos podem tornar-se muito perigosos para a minoria cristã, já que os grupos radicais querem atingir uma ‘islamização’ mais forte e mais influente.

“Mesmo que as alegações não sejam verdadeiras, a imagem de Razak já estava bem negativa, conforme publicações do jornal Straits Times. “É possível também que o ex-presidente Mahathir, muito conhecido como ‘Dr. M’, esteja por trás das acusações; ele continua ativo na política do país, mesmo com seus quase 90 anos de idade”, acrescenta Daniel.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE