Como é estar preso na Eritreia?

No país, muitos seguidores de Jesus são presos por não abandonarem a fé em Cristo

Em muitos países, quando um cidadão passa a seguir a Cristo poderá enfrentar perseguição por parte da população, governo, familiares e amigos. Além da privação de necessidades básicas, a perseguição pode acontecer através de agressões, mortes e prisões. No Domingo da Igreja Perseguida (DIP) 2021, o foco será os Cristãos Presos, de modo especial na Eritreia, Irã e Coreia do Norte.

A Eritreia ocupa o 6º lugar na Lista Mundial da Perseguição 2020, onde a perseguição aos seguidores de Jesus acontece em nível extremo e em todas as esferas da vida. A Comissão de Inquérito da ONU afirmou que o governo do país tem cometido crimes contra a humanidade por mais de 25 anos.

Centenas de cristãos ainda estão em prisões na Eritreia. Eles são mantidos pelo governo sob péssimas condições e muitos chegam a ser presos em contêineres em temperaturas escaldantes. Milhares de cristãos foram detidos e presos nos últimos anos, alguns dos quais estão na prisão há mais de dez anos.

Histórico de prisões

Entre os meses de junho e agosto de 2019, cerca de 150 cristãos foram presos no país, entre os quais há homens, mulheres e até crianças. As prisões aconteceram em Keren e na capital da Eritreia, Asmara, áreas que são dominadas por grupos muçulmanos radicais. Os presos de Keren foram mantidos em túneis subterrâneos em uma região desértica e, além de presos, os cristãos foram pressionados a negarem a fé.

Desde abril deste ano, pelo menos 45 cristãos foram presos na capital Asmara. As prisões aconteceram durante cultos domésticos e cerimônias de casamento realizadas no país. O governo justificou as razões das prisões alegando que os seguidores de Jesus foram detidos por violar as medidas de restrição durante a pandemia da COVID-19.

No início de setembro, 27 cristãos foram libertos da prisão Mai Serwa, perto de Asmara. Eles deixaram o local após pagarem fiança e assinarem um documento em que prometiam não promover nenhum tipo de atividade religiosa. A maioria dos seguidores de Jesus é obrigada a prestar serviços ao país após a soltura, um requisito obrigatório a todos os cidadãos. De acordo com fontes locais, o salário que recebem pelos serviços são baixos e insuficientes para as necessidades básicas e as condições de trabalho são insalubres. 

Participe do DIP 2021

Esteja conosco nesta jornada de fé e esperança, em que juntos fortaleceremos nossos irmãos presos através da oração. Se você ainda não se cadastrou, não perca a oportunidade de envolver sua igreja no maior movimento de oração pela Igreja Perseguida. O primeiro passo é pedir autorização para o pastor da sua igreja. Depois é só se cadastrar em nosso site. Ao se cadastrar, você terá acesso a mais detalhes de como realizá-lo, além de diversos materiais exclusivos na área restrita do site que o ajudarão na realização do evento.

Pedidos de oração