Ativista é investigada por blasfêmia

Ela também recebeu ameaças de morte devido a um post em uma rede social respondendo a um comentário do presidente sobre religião

| 10/01/2018 - 00:00

Ativista pode ser presa por até cinco anos (Foto ilustrativa)

Ativista pode ser presa por até cinco anos (Foto ilustrativa)


A ativista Shahindha Ismail recebeu ameaças de morte e está sendo investigada por blasfêmia após responder a um comentário do presidente Abdulla Yameen nas Maldivas. Ele disse que seu governo não permitiria nenhuma outra religião no país além do islã. Em resposta, a diretora executiva da Rede Democrática das Maldivas postou numa rede social: “Religiões diferentes do islamismo existem no mundo porque Deus permitiu. Se não, nenhuma outra religião existiria, não é?”

O post foi amplamente compartilhado nas redes sociais, com críticos a acusando de blasfêmia e apostasia. Tais atos são considerados ilegais na Maldivas e podem ser punidos com prisão ou até mesmo pena de morte em alguns casos. Se condenada, a ativista pode enfrentar uma pena de cinco anos.

Na abertura do parlamento no ano passado, o presidente Yameen prometeu anunciar um programa nacional “para promover a unidade islâmica e nutrir um espírito religioso e nacional”. O sistema legal do país tem se alinhado cada vez mais a uma estrita interpretação da sharia (conjunto de leis islâmicas) desde que Yameen assumiu o poder, em 2013.

Leia também:
Como vivem os cristãos nas Maldivas
Blasfêmia
Ore pela pequena igreja nas Maldivas


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE