Atentados de Páscoa no Sri Lanka completam seis meses

Cristãos recebem apoio e começam a reconstruir vidas e igreja

Há seis meses, no domingo de Páscoa deste ano, 259 pessoas foram mortas e outras 500 ficaram feridas nos ataques às igrejas cristãs e hotéis no Sri Lanka. O grupo extremista Estado Islâmico assumiu a responsabilidade pelo atentando causado por 7 homens-bomba, três deles em congregações onde eram celebradas a Páscoa.

A Portas Abertas e os cristãos de todo mundo juntaram-se em oração e doações para promover projetos de desenvolvimento socioeconômico, assistência jurídica e outros no Sri Lanka. A emissora inglesa BBC voltou até o local e pôde ver como as coisas mudaram. O jovem Hasaru Jayakody perdeu a mãe Priyanthi e outros 115 irmãos e irmãs que estavam na mesma igreja durante o atentado. Ele passou o aniversário de 17 anos no hospital e teve 6 fragmentos de bomba retirados do corpo. Um deles perfurou o pulmão do jovem e não pôde ser extraído pelos cirurgiões. Entretanto, não há mais espaço para raiva no coração de Hasaru, porque ele começou a perdoar.

Agora, os cristãos de Negombo voltaram até a igreja para reconstruí-la. O líder cristão Manjula relembra os fatos e admite que desejou ser transferido para outra paróquia. “Deus sempre diz para perdoarmos”, lembra. Mas quando é perguntado sobre o que pensa do homem-bomba, ele diz: “Ele é um terrorista, um extremista e, claro, um pobre garoto, que não foi guiado bem. Ele foi totalmente enganado”, reconhece.

“Eu não acredito que eles tenham conseguido o que queriam com os ataques. Eu penso que nós estamos mais unidos como comunidade”, explica o jogador de críquete Dasun Shanaka. A mãe dele e a avó estavam em uma das igrejas atacadas, mas sobreviveram. Até no comércio de peixe as diferenças entre as religiões foram superadas e as vendas melhoraram. ”Mais clientes estão vindo agora. Mas as pessoas continuam com medo... nós estamos vivendo em harmonia porque os nossos líderes religiosos vieram até nós e disseram para fazermos isso”, conta a comerciante cristã Sinka Fernando.

Continue a incentivar a paz no Sri Lanka

O assédio, a descriminação e a marginalização da família e da comunidade têm tornado difícil o desenvolvimento dos cristãos no Sri Lanka. Faça uma doação para projetos que visam desenvolver os irmãos e irmãos socioeconomicamente, prestar assistência jurídica e suprir as demais necessidades das igrejas e seus membros.