Força leve *

| 28/06/2005 - 00:00


Pode haver algum lugar mais carente do amor e da paz de Cristo do que Israel e Palestina? Onde o testemunho da igreja possa ser mais decisivo se exercido com perseverança? Num local onde tem predominado o ódio, parece não haver mais espaço para a força bruta, tem de se tentar algo leve, uma força leve.

Mas, como prover esta força? Quem pode exercê-la? Quem pode capacitá-la? Para começar a responder a essas questões, é necessário saber quem hoje representa Cristo em Israel e na Palestina. A pergunta não deixa de ser paradoxal, pois Cristo nasceu em Belém, hoje parte da Palestina, e viveu momentos decisivos de seu ministério em Jerusalém, hoje parte de Israel.

Mesmo assim, ao longo da história, a presença de cristãos no local só tem diminuído, e hoje, basicamente, dois grupos portam a fé cristã: judeus messiânicos e os cristãos palestinos. Apesar das diferenças históricas e culturais, os dois têm muito em comum, além da própria fé.

Primeiramente, as comunidades de que participam antes de se tornarem cristãos têm uma relação conflituosa: judeus e muçulmanos vivem em constante animosidade naquela parte do mundo, um fato com raízes históricas e agravado pela disputa territorial desde a metade do século XX.

Outro ponto em comum entre judeus messiânicos e cristãos palestinos é a reação que cada uma das respectivas comunidades tem quando um deles se converte à fé em Cristo. Os judeus reagem com reprovação, pois desde o início descreram em Jesus. Os muçulmanos rejeitam o convertido, considerando-o fora da comunidade.

Finalmente, os dois grupos enfrentam resistência dos outros cristãos que, por causa de suas origens. os vêem com desconfiança. Além, é claro, da dificuldade que têm para relacionarem-se entre si, judeus messiânicos e cristãos palestinos, uma herança pesada dos tempos anteriores à conversão.

Como se viu, esses irmãos enfrentam pelo menos sete frentes de oposição à opção que fizeram por Cristo. Pode-se imaginar que este seja um grupo enfraquecido, sem coragem, sem perspectivas. Um grupo de quem pode esperar-se muito pouca coisa.

E ainda assim, juntos formam o remanescente de Cristo no local. Se algo de bom vier a acontecer em Israel e Palestina, se alguma transformação para a paz puder ser impulsionada, os representantes de Cristo têm de ser candidatos naturais a protagonizarem essas ações.

Se a força leve proposta no início deste artigo vier a ser articulada, esses irmãos terão de ser os que a exercerão... E juntos!

Será que isso é possível? Na próxima semana, este espaço discutirá um pouco mais sobre a presença de Cristo em Israel e Palestina.

Douglas Monaco
Secretário Geral de Portas Abertas Brasil

* Conforme promessa de 14 de junho último, nas 9 semanas que antecedem ao lançamento do novo livro do Irmão André, chamado Força da Luz, este espaço tratará das questões subjacentes ao tema do livro.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE