Um sobrevivente do tsunami

| 13/06/2005 - 00:00


Gostaria de compartilhar a história de um jovem de nome Sofian que encontrei em minha visita a Kampung Mulia.

Kampung Mulia está localizada numa das áreas de Banda Aceh mais destruídas pelo tsunami.

Além da devastação, cinco meses após a tragédia, a maioria das pessoas ainda está vivendo em tendas totalmente desgastadas, rasgadas e desbotadas.

As meninas que trabalham na nossa casa vivem lá e à noite havia chovido demais. Elas não vieram trabalhar naquela manhã, então queria checar e me assegurar que estavam bem.

Relato enviado pela equipe da AME.

Decidi tomar café no BiBis, uma barraca de madeira e zinco usada na beira do rio.

Sofian, de 17 anos, o mais velho de 5 filhos, veio capengando com muletas e sentou-se na barraca de café ao meu lado. Pediu-me: Compre-me um becak (um táxi triciclo)".

Perguntei o que tinha acontecido com sua perna, sabendo que muito provavelmente o tsunami seria a causa. Ele passou a mão na barriga da perna e enfiou os dedos num buraco que havia ali. Pude ver através do tecido que metade da sua coxa não existia mais.

Pediu novamente: "Compre-me um becak", como se nada mais fosse importante. Sorri e não disse nada. Então ele começou a contar a sua história, sem demonstrar qualquer emoção, falando de forma bem fria:

Perdi toda a minha família, a minha mãe e todos os meus irmãos e irmãs. Estou só agora e não tenho mais ninguém, sou eu sozinho." 

Ouço a mesma história de perda e sofrimento de tantas pessoas que já perdi a conta. De fato, só me surpreendo se encontro alguém de Aceh que nao tenha perdido algum membro da família no tsunami.

Sofian insistiu: "Compre-me um becak?" Ignorei seu último pedido, mas fiquei impressionada com sua aparente ausência de emoção. Pude perceber, porém, que era somente superficialmente. Por baixo da sua calma e atitude fria em relação ao que aconteceu, e por trás de seus pedidos insistentes por um becak, senti que havia algo diferente na tragédia do jovem.

BiBi entrou a essa altura e disse: "Ah, este é Sofian, que acabou de voltar do hospital em Medan, onde operaram a sua perna. Ele está sozinho, sem família, sem ninguém".

E continuou a falar, sem drama nem emoção: "Ele ficou preso debaixo de um barco e coberto sob as ruínas do tsunami com a perna presa. Ficou sob o lamaçal, cheio de cadáveres ao redor dele, sozinho, por 7 dias, até que finalmente alguém passou e o resgatou.

Levei alguns segundos até compreender realmente o que ela acabara de me contar. Olhei para Sofian e para BiBi e de volta para Sofian, tentando entender o que estava ouvindo.

Foi a história mais horrível que já ouvi desde que vim para cá, mas que foi contada de forma tão natural que parecia uma contradição, algo surreal.

Finalmente disse a Sofian: "Não posso nem imaginar o quanto deve ter sido terrível para você." Um rapaz bastante corajoso, porém confuso, olhou-me de volta. Então percebi o quanto era óbvio que ele estava traumatizado.

Calmamente ele respondeu: "Sim, foi terrível.Compre-me um becak?".

Eu lhe disse que se o que aconteceu com ele acontecesse comigo, eu não saberia o que sentiria, mas, que estava certa de que os 7 dias pareceriam uma vida inteira para mim e que eu teria muito medo.

Finalmente ele me olhou e uma expressão lampejou nos seus olhos, mas somente por uns segundos, e desapareceu. Disse-me num sussurro quase inaudível, como se não quisesse que as outras pessoas ouvissem: "Sim, lá havia cadáveres por todo lugar.  Após 7 dias sem comida nem água e com a perna gravemente ferida, ele estava quase sem vida quando alguém, procurando restos entre as ruínas de madeiras e destroços, finalmente o encontrou. Ele foi levado de avião a Medan, onde ficou num hospital por 3 meses.  

Perguntei o que ele queria fazer agora. Ele me contou que antes do tsunami ele era um motorista de becak. O seu becak foi levado pelas águas. E agora, tudo o que ele queria era um outro becak e pediu novamente: "Compre-me um becak". A essa altura todos começaram a rir dele dizendo para parar de me pedir para comprar um  becak.  

Eu gostaria de comprar um becak para Sofian, mas acho que ele ainda está emocionalmente muito traumatizado e não tenho certeza se isso é a melhor coisa para ele agora.

Vou encaminhá-lo a um conselheiro e quando ele estiver bem o suficiente, gostaria de ajudá-lo conseguir um becak.  Sofian e milhares de outros aceneses perderam os seu meio de sobrevivência. Precisam de ajuda para reiniciar as suas vidas.

Amigos, juntem-se a mim em oração pelo Sofian, cuja história se destaca como a mais trágica dentre as milhares de histórias trágicas que ouvi desses memoráveis sobreviventes do tsunami.

Esse jovem passou por algo próximo a um inferno em vida mais do que qualquer um de nos chegaríamos a conhecer, e, após 7 dias, Deus o tirou dos destroços ainda vivo. A história de Sofian é uma história de milagre. Porém a luta pela sua vida ainda não terminou, está apenas começando.

Relato enviado pela equipe da AME.


Sobre nós

Uma organização cristã internacional que atua em mais de 60 países apoiando os cristãos perseguidos por sua fé em Jesus.

Instagram

© 2021 Todos os direitos reservados

INÍCIO
LISTA MUNDIAL
DOE