Mesmo com perdas recorrentes, menina fica firme na fé

Zita perdeu mãe, pai, tio e mãe adotiva; foi agredida e expulsa por sua fé, mas não desistiu de Jesus

menina-africana-com-pano-amarelo-na-cabeca

Zita* é uma menina de 15 anos que vive em Camarões, no estado majoritariamente muçulmano de Adamawa. Filha de pai muçulmano e mãe cristã. Foi a sexta filha do casal, e a única que sobreviveu – todos os outros filhos morreram. Assim, Zita era muito querida e estimada. Os parentes muçulmanos convenceram o pai de Zita de que seus filhos haviam morrido pelo fato de a mãe ser cristã. Cedendo à pressão, ele deu um ultimato à esposa: ou ela se convertia, ou ele entregava a filha deles para ser criada pelos familiares muçulmanos. A mãe se recusou, mas quando Zita tinha apenas oito meses, ela perdeu a luta: o bebê foi levado pela família muçulmana do marido. A mãe de Zita faleceu nesse mesmo mês, provavelmente de alguma doença relacionada ao estresse. 

Um ano depois, o pai de Zita também morreu de repente, e ela continuou morando com uma tia por parte de pai. Quando chegou aos cinco anos, um tio por parte de mãe ganhou sua custódia. Ele a amava muito, lhe ensinou a Bíblia e a levou à igreja. Mas quando completou 12 anos, o tio também veio a falecer e ela teve que voltar para a casa da tia muçulmana com quem tinha vivido até os 5 anos. A tia permitia que a menina orasse individualmente e que, uma vez ou outra, recebesse visitas dos professores da escola bíblica dominical. Mas ir à igreja estava fora de cogitação. Até que, para ficar em paz com sua tia, Zita desistiu de ir à igreja. 

No entanto, a semente do evangelho já havia sido semeada em seu coração. Através da ajuda e testemunho de uma colega cristã na escola, em setembro de 2015 ela entregou sua vida a Jesus. Mas por medo não contou nada à tia. Mesmo assim, sua tia notou o que havia acontecido, e bateu nela. Também a levou ao líder muçulmano local, que também a açoitou. “Eles rasgaram a minha Bíblia e me fizeram tomar algo para retornar à ‘sanidade’. Eles também ameaçaram me matar como fazem com um animal”. 

Idas e vindas

Um dia Zita fugiu e procurou abrigo numa outra igreja da cidade, mas seu mentor a aconselhou a voltar para casa. Quando ela voltou, a tia disse que se ela quisesse ser cristã, teria que ir embora. Então ela foi ficar com alguns amigos cristãos, mas eles não puderam acomodá-la por muito tempo. Foi aí que a irmã de seu mentor, Marthe, se ofereceu para cuidar dela, apesar de lutar com um sério problema de saúde. Marthe amava Zita e a ajudou a crescer espiritualmente e nos estudos, matriculando-a de novo na escola. 

Mas em janeiro de 2017, Marthe faleceu, e a família do pai de Zita queria que ela voltasse para eles. Eles ameaçaram a família de Marthe, até que Zita decidiu voltar, confiando em Deus. Um dia, eles a trancaram num quarto escuro das 5 da tarde até meia-noite. Certa vez, sua vó entrou em seu quarto com uma lanterna na mão; ela estava coberta de sangue de um animal que havia sacrificado. A atmosfera espiritual era pesada. Ela colocou dinheiro na mão de Zita e falou para ela fugir rapidamente. 

Zita foi para a casa de sua família espiritual, onde vive até hoje, com a mãe de Marthe, a quem considera sua avó. Mas eles continuam sendo ameaçados, por isso ela não sai à noite sozinha. Além disso, Zita luta com uma constante dor de estômago. A Portas Abertas está patrocinando as despesas médicas dela e da avó, mas até agora os médicos não descobriram qual o seu problema no estômago. Apesar de todos esses desafios ao longo de sua vida, Zita diz: “Tentação e perseguição virão, mas Deus me dará forças e eu nunca vou sair do seu caminho”. 

*Nome alterado por motivos de segurança. 

Pedidos de oração

  • Agradeça a Deus pela fé de Zita e ore para que ele continue a encorajando, bem como sua família espiritual.
  • Ore por proteção e provisão para eles e também por cura.
  • Interceda pelos perseguidores que estão no caminho de Zita e os que ela já conheceu. Que Deus os alcance com sua infinita graça. 

Leia também

Morre Kadidja, uma menina cristã ex-muçulmana

Seis irmãos sequestrados pelo Boko Haram escaparam com segurança

Boko Haram intensifica ações contra cristãos em Camarões