Missão de paz da ONU terá reforço de 900 soldados

Objetivo é conter conflito entre cristãos e muçulmanos, que tem trazido instabilidade ao país

soldados-sentados-na-floresta

Na última quarta-feira (15), o Conselho de Segurança da ONU aprovou por unanimidade uma resolução aumentando o número da força de paz na República Centro-Africana (RCA). O país terá um adicional de 900 soldados, totalizando 11.650 militares na missão de paz conhecida como MINUSCA. 

A resolução segue-se a um ataque de granada em que quatro pessoas morreram e 20 ficaram feridas em Bangui, capital do país, no sábado (11). A explosão aconteceu durante um concerto de paz promovido por jovens cristãos e muçulmanos para promover a reconciliação entre os dois grupos. De acordo com a agência de notícias Fides, havia cristãos entre os mortos. No dia seguinte, três motociclistas de moto-taxi foram mortos em represália. 

O país está afundado em violência entre muçulmanos e cristãos desde que a milícia islâmica Seleka tirou o presidente cristão e tomou o poder, em março de 2013. A milícia anti-Balaka revidou, resultando em milhares de mortes, deslocamento, e fuga de muitos muçulmanos para o norte do país ou para países vizinhos, como Chade e Camarões. Segundo o Conselho de Segurança, há mais de 600 mil deslocados dentro do país e quase 500 mil refugiados nos países vizinhos. 

Intervenção da ONU

O embaixador da França na ONU, François Delattre, responsável pela medida, disse que o Conselho de Segurança não pode correr o risco de deixar a RCA voltar a uma crise tão trágica quanto a que enfrentou entre 2012 e 2014. Apesar de eleições pacíficas em 2016, a violência se espalhou para o centro e sudeste do país, alertando para um possível conflito nacional. 

A resolução do Conselho de Segurança condena “nos mais fortes termos o estímulo de ódio étnico e religioso, as múltiplas violações da lei humanitária internacional, as violações de direitos humanos e os abusos”, o que inclui abuso sexual por militantes do Seleka e do anti-Balaka. O Conselho também enfatizou que a atual situação gera um ambiente propício para crimes transnacionais, como tráfico de armas e uso de mercenários, e também para formação de redes de radicais. 

A resolução estende o mandato da força de paz até 15 de novembro de 2018. MINUSCA é uma das missões de paz mais perigosas da ONU, com 12 pacificadores mortos só este ano. Alguns soldados também são acusados de cometer abuso sexual.

Pedidos de oração

  • Agradeça a Deus pelo compromisso firmado de restaurar a paz e ore para que a RCA escolha o caminho da paz.
  • Ore por medidas corretas para os soldados que foram acusados de abuso.
  • Interceda para que a igreja se envolva no processo de paz e também em restaurar a esperança para os traumatizados. 

Fonte: The Washington Post 

Leia também

Boda: convivência pacífica entre cristãos e muçulmanos

Crise centro-africana ganha atenção da ONU

Cristãos são alvo da crescente violência no país