Associação cristã pede posicionamento do governo

A Associação Cristã Nigeriana pede ao governo que se posicione quanto à violência do grupo extremista Fulani contra eles

16-nigeria-0430101481-associacao-crista-pede-posicionamento-do-governo

Como principal organização protetora de igrejas, a Associação Cristã Nigeriana expressou preocupação para o presidente Muhammadu Buhari sobre a contínua violência dos pastores de cabras Fulani, que são extremistas muçulmanos. Ao longo de setembro e outubro, ataques repetidos contra comunidades cristãs deixaram mais de 75 mortos, de acordo com uma ONG na região, a Fundação Stefanos. Doze aldeias foram atacadas, 489 casas foram queimadas e 13.726 pessoas deslocadas, disse o responsável da Fundação. As vítimas identificaram os fulanis como os agressores.

Na sexta-feira de 10 de novembro, na primeira reunião desde sua eleição há dois anos, o presidente da Associação Cristã Nigeriana perguntou a Buhari o por que desses pastores não serem presos.

O líder cristão Samson Ayokunle lembrou um recente assassinato em massa que acabou com a relativa calma que havia sido estabelecida: "Recentemente, fui a uma aldeia chamada Ancha, onde 21 cristãos foram mortos durante a noite por pastores. Minha igreja naquela aldeia perdeu 20 membros (que estavam entre os 21) e precisamos enterrá-los juntos. Foi uma visão horrível”.

“Depois desse ataque, os fulani vieram para a mesma área e mataram outras 24 pessoas e nenhum deles foi preso. Por que os pastores estão devastando as comunidades sem serem presos? Por que eles não são processados? Por que a fonte de sua munição não foi investigada? Por que eles vagam com armas sem serem presos?”, indaga o líder cristão. “Deve se fazer algo rápido”, complementa.

Pedidos de Oração

  • Clame pelas famílias dos cristãos que foram mortos. Peça a Deus que os console enquanto aguardam a justiça que vem dos céus.
  • Interceda pelo presidente Buhari, que a sabedoria de Deus esteja com ele para administrar os conflitos.
  • Ore por paz nessa nação devastada por conflitos.

Leia também
Nove cristãos são mortos em emboscada
Cristãos permanecem alertas após atentados