Restrições às igrejas continuam no Sudão

Autoridades dizem que o clima religioso é pacífico no país, mas as exigências sobre as atividades cristãs continuam sendo impostas

Restrições às igrejas continuam no Sudão

Justin Welby, que é líder cristão em Canterbury, Inglaterra, visitou o Sudão, recentemente, com o foco de inaugurar uma igreja. Durante sua estadia no país, ele conheceu os oficiais do governo. Em um comunicado à imprensa, um ministro sudanês elogiou Welby e ressaltou que o líder está familiarizado com o “clima religioso pacífico no Sudão” e o caracterizou pela tolerância.

Ele apontou também que Welby realizou encontros com o presidente Omar al-Bashir e com o ministro das Relações Exteriores, Ibrahim Ghandour, entre outras autoridades do Estado de Cartum. Mas em um episódio separado, o Ministro da Educação emitiu um pedido às escolas da igreja, em que diz para guardarem a sexta-feira e o sábado e atuar apenas aos domingos.

As igrejas reclamaram já que o domingo é um dia livre de atividades escolares. De acordo com informações da rádio local Tamazuj, os membros do parlamento rejeitaram o pedido do ministro. “O vice-presidente da Assembleia do Estado de Cartum, Mohammed Hashim, disse na terça-feira que foi um pedido impensado pelo Ministro da Educação e que ele revogasse sua decisão por uma questão de convivência pacífica”, explicou um dos colaboradores da Portas Abertas.

O Ministro da Educação, por sua vez, defendeu sua decisão em manter o calendário que foi adotado pelo conselho de ministros. Ainda não está claro se as escolas cristãs terão de cumprir a exigência. A igreja no Sudão pede orações por sabedoria nesse momento, para que saibam lidar com o governo em questões que podem causar atritos e desvantagens para os cristãos no país.

Leia também
Interceda pela Igreja Perseguida no Sudão
O que o mundo inteiro precisa saber