Advogados de cristãos entregam carta de apelação

Os cristãos que são considerados culpados pela justiça sudanesa já foram condenados à prisão; embora tudo não passe de um mal-entendido, a justiça insiste em incriminá-los

26-sudao-shamal-e-hassam
Kuwa Shamal e Hassan Taour

De acordo com informações vindas de Cartum, capital do Sudão, os advogados de Hassan, Abdulmonem e Petr Jasek, apresentaram ontem ao Supremo Tribunal uma carta de apelação de seus clientes, junto à documentação necessária. Agora eles terão de esperar até que o juiz os convoque para uma nova audiência. Os cristãos que são considerados culpados pela justiça sudanesa já foram condenados à prisão. Embora tudo não passe de um mal-entendido, a justiça insiste em incriminá-los.

Hassan e Abdulmonem foram transferidos para a prisão de Kober, no distrito de Bahari, em Cartum. Não há confirmação de que Jasek também tenha sido levado. A mãe e a filha de Hassan estão muito abaladas com a situação, mas continuam esperançosas apesar de tudo. O caso destes cristãos não é um fato isolado. No ano passado, muitos irmãos foram para o tribunal por causa da  fé. O islã está enraizado na sociedade e o governo tem restringido não só a liberdade de religião, mas de expressão.

Em outubro, o governo sudanês prendeu dois pastores e outros sete cristãos por se recusarem a entregar a escola que dirigiam às autoridades estaduais. Mas a polícia invadiu a propriedade e eles foram detidos. A libertação só se deu com o pagamento da fiança. O país subiu 3 posições na Lista Mundial de Perseguição. No ano passado ocupava o 8º lugar e agora ocupa o 5º. A igreja no Sudão está sempre correndo riscos e os fieis normalmente são acusados de crimes de espionagem e ameaça à segurança do Estado. Lembre-se deles em suas orações.

Leia também
Cristãos são condenados pela justiça sudanesa
Audiência de cristãos é remarcada

 

Comentários

  • MARGARIDA BORGES
    16 fev 2017 de 15:00
     

    Louvado seja Deus! Ainda há esperança. Que Deus trabalhe na mente e coração desse juiz.

Deixe seu comentário

*
*
 
*
*Campos obrigatórios