Cristãos podem ser ainda mais pressionados

O governo das Maldivas decidiu deixar a “Comunidade das Nações”, uma organização que garantia a democracia e os direitos humanos no país

27-maldivas-homem-pescando

Recentemente, o governo das Maldivas decidiu não fazer mais parte do movimento Commonwealth of Nations (Comunidade das Nações), uma organização intergovernamental, composta por 53 países membros (agora 52) que buscam a paz mundial, entre outros objetivos que envolvem valores comuns, democracia, direitos humanos e boa governança. A decisão da liderança do país poderá prejudicar ainda mais a situação dos cristãos.

“Deixar a Comunidade significa que haverá menos monitoramento dos abusos contra os direitos humanos e menos segurança para a comunidade cristã. Agora a paranoia do presidente Abdulla Yameen poderá impulsionar ainda mais a repressão sobre todos os cidadãos”, comenta um dos colaboradores da Portas Abertas que atua na nação.

O Parlamento das Maldivas alega que a Comunidade das Nações interferia nos “assuntos domésticos” do país, ameaçando a soberania do governo e também sua independência. Antes dessa decisão, porém, as Maldivas estavam sendo pressionadas por um “grave déficit democrático”, ou seja, suas leis são tão complexas que os direitos dos cidadãos se tornaram inacessíveis, principalmente aos cristãos.

Pedidos de oração

  • Ore pelos cristãos nas Maldivas, que eles sejam protegidos pelo Espírito Santo.
  • Peça a Deus para que o presidente Abdulla Yameen seja, de alguma forma, impactado pelo amor de Jesus Cristo.
  • Interceda pela igreja nas Maldivas, para que continue crescendo na graça e no conhecimento.

Leia também
Cristãos maldívios enfrentam guerra espiritual
Nova lei restringe ainda mais o cristianismo

 

Comentários

Seja o primeiro a comentar

Deixe seu comentário

*
*
 
*
*Campos obrigatórios